sábado, 27 de abril de 2013

Capitão Beto agora no espaço

Com uma homenagem a Flaco Spinetta, foi colocado em órbita o primeiro nanosatélite 
argentino.

Argentina colocou hoje em órbita a primeira história nanosatélite. É um desenvolvimento nacional financiado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação e produzido pela empresa em colaboração com INVAP Satellogic. O lançamento ocorreu no horário local de 01:15 centro espacial de Jiuquan, na China, juntamente com outros Equador por satélite.
O argentino é chamado de "capitão Beto" - o nome técnico é CubeBug-1 - é um satélite que pesa dois quilos, projetado e fabricado no país.Software e plataforma de hardware estão abertos e disponíveis para os fãs, universidades e institutos de pesquisa. É o primeiro de uma nova plataforma nanosatélite da indústria nacional, para fins educacionais e científicos e servem para demonstrar o desempenho desta tecnologia em órbita.
O lançamento foi realizado por foguete não-tripulado chinês Longmarch 2 e Capitão Beto será monitorado a partir do Rádio Clube Bariloche, naquela cidade. A 650 km, as antenas de satélite e implantar a sua órbita em torno da Terra. Capitão Beto não tem componentes nanotecnológicos: a nomeação de nanosatélite devido a uma convenção internacional, que categoriza e artefatos de dez quilos. Na América Latina, o Brasil é o país que tem mais satélites em órbita (13), seguido por Argentina (9) México (7), Chile e Venezuela, com dois cada, e, finalmente, Colômbia e Equador com um.
Segundo Emiliano Kargieman (37), CEO da Satellogic e gerente do projeto, explicou, "é menor do que uma caixa de sapatos. Vai dar um retorno à Terra a cada 93 minutos, e qualquer amador no mundo podem se conectar a ele e download de dados, porque não tem fins comerciais. " Quase formado em Matemática e estudos de Filosofia, explicou que, para reduzir os custos dessa atividade, a empresa segue dois caminhos: usar componentes mais baratos, que já são usados ​​em eletrônicos de consumo, e torná-satélites menores e mais leves , que o transporte muito mais barato. "Muitos dos componentes utilizados na fabricação são de tecnologia de fácil acesso, como a usada para fazer telefones celulares e computadores, que modificar a construir componentes espaciais como um computador de bordo, um volante de inércia e baixa resolução da câmera para tirar fotos da Terra e as estrelas. "
Kargieman disse que o satélite é chamado de capitão Beto homenagem a Luis Alberto Spinetta, que morreu em 2012, quando os engenheiros trabalharam em seu desenvolvimento:. "Sim, é uma homenagem ao magro Além disso, como fã eu não gosto de letras milionário Pennant menciona River ".
Clarin.com  ...SNB
NOTA DO BLOG.. veja  Argentina não brinca com latinha de serveja ja o brasil só fica perdendo tempo não e uma vergonha que ate o equador ja fez o  lançamento de um nanosatelite ..agora tá esplicado por que o VLS não decola não e falta de verba e burrice mesmo mais uma o brasil tem 13 satelite com o brasil sate b1...?

Arquivo do blog segurança nacional