SEGURANÇA NACIONAL SNB

SEGURANÇA NACIONAL SNB

sábado, 19 de janeiro de 2019

Mesmo com Dilma distanciada, ABIN nunca deixou de cumprir suas competências legais

WILSON ROBERTO TREZZA
Oficial de Inteligência  Classe Especial, Administrados de Empresas, Pós-Graduado em Contabilidade Ggeencial, é oficial da Reserva do Exército


Na condição de diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência (ABIN) entre 2008 e 2016, acompanhei, incrédulo, as declarações da ex-presidente Dilma Rousseff sobre a atividade de inteligência. Diante da afirmação do ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) de que seu governo teria “derretido” o sistema de inteligência, a ex-presidente julgou “inevitável” contestá-lo, valendo-se de argumentos inaceitáveis, que depõem contra a atividade e seus profissionais.

Como veterano que militou por 37 anos em inteligência, e posto que os episódios listados pela ex-mandatária teriam ocorrido quando eu dirigia a ABIN, também considero “inevitável” oferecer à sociedade elementos que propiciem reflexões lúcidas, condizente com os fatos.

Não me cabe advogar em prol do GSI, de ontem ou de hoje. Não menos importante é registrar que entendi “derretimento” da inteligência como metáfora para caracterizar que a atividade, à época, foi desconsiderada como ferramenta estratégica de assessoramento à tomada de decisões presidenciais.

Em sua defesa, a ex-presidente declara ter vivido situações de “manifesta ineficácia do GSI e do sistema de inteligência a ele articulado”. No entanto, mesmo com o distanciamento unilateral de sua cliente prioritária, a ABIN nunca deixou de cumprir suas competências legais, de oferecer o assessoramento que se espera de uma agência de inteligência de Estado, bem como de contribuir para fortalecer o Sistema Brasileiro de Inteligência (SSIBIN). Criado em 2002 com 22 integrantes, alcançou 37 já em 2013.

Equivoca-se a ex-mandatária ao afirmar que o SISIBIN seja “articulado” ao GSI, pois a Lei n.º 9.883/99 define a ABIN como “órgão central” do sistema, cabendo-lhe “planejar, executar, coordenar, supervisionar e controlar as atividades de inteligência do País”. Ao GSI foi delegada competência para “coordenar a atividade de inteligência federal” (MP 870/2019), o que, em meu entender, se faz por intermédio da ABIN.

 
"Mesmo com Dilma distanciada, ABIN nunca
deixou de cumprir suas competências legais"
Para apontar a alegada ineficácia da inteligência, a ex-presidente cita a não detecção e não obstrução do “grampo” que teria registrado seu diálogo com Lula da Silva. Difícil é acreditar que a ex-presidente ignore que seu gabinete não foi grampeado, mas que foi autorizada interceptação telefônica direcionada ao seu interlocutor, no âmbito da Operação Lava Jato.

Considera a espionagem perpetrada pela norte-americana National Security Agency (NSA) a falha mais grave, pois a inteligência brasileira desconhecia a ação e os meios para bloqueá-la. Situação similar foi vivida pela primeira-ministra alemã, que, ainda assim, optou por preservar a reputação de seus serviços de inteligência. No caso brasileiro, a única explicação plausível é que a exmandatária tenha desconsiderado o assessoramento recebido.

Eu mesmo, desde 2008, alertava as autoridades sobre a capacidade de intrusão de alguns serviços de inteligência e oferecia, como alternativa eficaz, recursos criptográficos desenvolvidos pela ABIN. A expresidente, porém, recusou-se a utilizá-los e nunca quis inteirar-se das condições disponíveis, em termos de efetivo, orçamento, mandatos e capacitação tecnológica, para que a agência desempenhasse suas competências legais. Negouse, por exemplo, a aprovar a Política Nacional de Inteligência, cujo decreto se encontrava pronto desde 2010.

Por fim, inacreditavelmente, Dilma Rousseff exorta a que não se confie na inteligência, instituída para assessorar chefes de Estado e de governo do Brasil. Demonstra desconhecer a própria estrutura que comandou, esquecendo-se de que a ABIN não é um ente autônomo, livre para decidir, por sua conta e risco, como, quando e em que nível deve prover suas necessidades ou redefinir atribuições, à revelia das demandas do Estado e do ordenamento jurídico.

Os profissionais da ABIN têm consciência da necessidade de desenvolver alto grau de resistência à frustração, de vez que seus acertos serão sempre anônimos, mas seus erros – reais ou fabricados – estarão, invariavelmente, sujeitos a superexposição e críticas exacerbadas. A recente polêmica propicia, porém, oportunidade para enfatizar, aos cidadãos, que, mulheres e homens de inteligência se orgulham de uma atividade não “derretida”, mas em consolidação ao longo dos anos, fruto de ações que somam experiências, compartilham êxitos e superam desafios ou fracassos.

O trabalho da ABIN, individualmente ou coordenando o SISBIN, permitiu ao Brasil realizar, entre 2007 e 2016, de forma exemplar, uma série inédita de grandes eventos: Jogos Pan-Americanos, Jogos Mundiais Militares, Copa das Confederações, Jornada Mundial da Juventude, Copa do Mundo, reunião do Brics e Olimpíada. Se consultados, ministros e outras autoridades poderão atestar a qualidade dos produtos e serviços entregues pela agência. Outra prova do êxito alcançado são os pedidos de intercâmbio de experiências feitos ao Brasil e, em particular, à ABIN, por futuros organizadores de eventos mundiais.

O princípio da prudência recomenda que temas ligados à inteligência sejam tratados em nível elevado, em ambiente apropriado e com objetivos definidos. Caso contrário, perdem as autoridades, perdem os profissionais e perde a instituição. Sempre que isso não se efetiva, perde, acima de tudo, o País.
Num Estado Democrático de Direito, a inteligência sempre será parte da solução, e não do problema. Há que confiar nas palavras do atual presidente da República, segundo as quais, sob o seu governo, a inteligência de Estado contará com a atenção e o suporte necessários para que atenda aos desafios impostos ao novo Brasil que todos almejamos ver emergir.

Batalhão Tonelero, a tropa de elite dos Fuzileiros Navais



Resposta: Batalhão Fantasma, Grumec etc



M102, o mais poderoso canhão instalado em um avião no mundo


Afinal, onde está o S-300 na Síria?



Frota da Rússia recebe nova corveta dotada de mísseis de cruzeiro

Mytischi é o nome da nova corveta do projeto 22800 Karakurt dotada de mísseis de cruzeiro que recentemente foi construída para a Frota do Báltico russa, informa o jornal Izvestia.
De acordo com a edição, o projeto de pequenas e furtivas corvetas (apenas 800 toneladas de deslocamento), mas equipadas com armas poderosas, que incluem 8 lançadores de mísseis de cruzeiro da classe Kalibr-NK, foi lançado em 2015 após o grande sucesso desses navios durante a operação russa contra o Daesh no Oriente Médio.
O projeto 22800 foi desenvolvido pelo escritório de projetos navais Almaz. Estas embarcações, destinadas a levar a cabo missões em zonas marítimas próximas, possuem grande capacidade de manobra e excelente navegabilidade. Além disso, contam com a presença de tecnologias furtivas.
Os navios do projeto 22800 Karakurt são navios de mísseis pequenos revolucionários nos quais foi possível combinar de forma eficaz todos os melhores avanços e novas tecnologias", diz o capitão do navio, capitão-de-corveta Adil Azimov.
Os novos navios 22800 Karakurt incorporarão uma nova versão do sistema antiaéreo Pantsir, que irá expandir significativamente suas capacidades de defesa antiaérea.
A construção destas corvetas continua ativamente em vários estaleiros russos. Estes navios serão incorporados em todas as frotas do país. A concepção e o casco dos navios usam a chamada tecnologia 'furtiva', que visa reduzir a possibilidade de eles serem detectados por radares inimigos.

sexta-feira, 18 de janeiro de 2019