sábado, 27 de abril de 2013

EUA recusam vender bombas anti-bunker a Israel


Os EUA não são apenas um parceiro estratégico de Israel, mas também o seu melhor amigo". Quem o afirma é o ministro da Defesa israelense, Moshe Yaalon, que se avistou há dias com o chefe do Pentágono, Chuck Hagel, a fim de acordar o fornecimento de armas norte-americanas.V D RU

Mas, pelos vistos, o melhor amigo não pode vender tudo o que o seu parceiro quer. Da lista de armas destinadas à venda não constam bombas potentes para betão, almejadas por Israel desde há muito.
Trata-se da Massive Ordnance Penetrator (MOP), ou seja, a bomba anti-bunker, de elevada perfuração, com um peso de 30 mil libras (13.608 kg). Uma vez lançada de avião, voam até ao alvo guiadas por GPS, podendo atingir abrigos de betão à profundidade de 60 metros. É, de fato, um tipo único de armas, capaz de aniquilar a empresa de enriquecimento de urânio em Fordo, situada na rocha. Segundo avaliações de peritos, sem tal bomba, qualquer operação aérea contra as instalações nucleares iranianas perde o sentido. Caso contrário, para acabar com o programa nuclear do Irã será necessário enviar para lá um contingente militar das forças aliadas.
Uma parte de políticos israelenses opina que Teerã está prestes a criar sua bomba atômica. Na avaliação do ex-chefe do Serviço de Inteligência Militar, Amos Yadlin, para que o objetivo seja alcançado faltam 2-6 meses. Em face disso, o "penetrador" na posse de Israel seria um argumento de peso na eventual guerra, afirma o professor associado da Cadeira de Pesquisas Orientais do Instituto de Relações Internacionais, Nikolai Surkov:
"Os EUA não têm interesse em nova guerra regional. A região do Oriente Médio se mantém instável. Por isso, uma operação de Israel militar contra o Irã criará grandes problemas para os EUA e seus aliados no Golfo Pérsico. O Irã declarou reiteradas vezes que, se necessário, poderá assestar um golpe de mísseis contra as bases norte-americanas situadas nas monarquias arábicas. As consequências de tal ataque serão graves. Eis porque os EUA pretendem excluir a possibilidade de ações unilaterais por parte de Israel".
Há um ponto de vista diferente: mesmo a hipotética posse da bomba não adianta nada, dado que Israel não tem bombardeiros que sejam capazes de carregá-la. Uma bomba de 30 mil libras poderá caber apenas no B-52 obsoleto que, pelos vistos, não será enviado para a zona de conflito ou num B-2, com a tecnologia furtiva stealth.Este último deverá ser igualmente solicitado por Israel. Se algum dia os EUA derem a luz verde à operação militar, deverão ainda fornecer todos os meios técnicos necessários, esclarece o investigador sênior do Instituto de Orientalismo, Dmitri Mariasis.
"Quando Israel tiver acesso à bomba, este será um sinal importante de haver consenso quanto à necessidade de proceder a uma operação militar contra o Irã".
Mas tal situação não poderá vir a surgir antes do outono. Até essa altura, no Irã terão decorrido as eleições presidenciais, cabendo já ao novo presidente tentar solucionar o problema nuclear. A propósito, para 15 de maio, está agendada uma nova ronda de conversações de Teerã com a AIEA. "É preciso dar mais uma chance à diplomacia, sanções ou aos outros mecanismos enquanto estes não esgotarem seu potencial", anunciou Moshe Yaalon em coletiva de imprensa com Chuck Hagel. Que "instrumentos" se têm em vista – não é difícil de adivinhar se recordarmos as ações de sabotagem nas instalações nucleares iranianas, os ciberataques e o assassínio de especialistas iranianos, se bem que Israel tenha negado a sua conivência naquele crime.
Uma opção militar, dizem os aliados, deve permanecer em cima da mesa como uma "variante extrema". A decisão dos EUA de fornecer a Israel outros tipos de armas – aviões-bomba e mísseis "inteligentes", capazes de superar sistemas da DAA – pode ser encarada como um aviso para o caso de guerra.
SNB

Arquivo do blog segurança nacional