quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Brasil: conflito na Guiné-Bissau é um dos maiores desafios do Atlântico-sul


O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Antonio Patriota, admitiu hoje (terça-feira), durante o encontro ministerial de países do atlântico-sul, que a situação na Guiné-Bissau figura entre os maiores desafios da região.

"A crise vivida hoje por esse país do atlântico sul é exemplo de uma situação com implicações sérias sobre o espaço do Atlântico Sul e à qual não podemos ficar indiferentes", afirmou o ministro brasileiro durante um discurso na reunião ministerial da Zopacas (Zona de Paz e Cooperação do Atlântico Sul), em Montevideu, no Uruguai.
Patriota citou o conflito como "muito próximo do Brasil", devido função dos laços culturais e históricos que unem os dois países, e ressaltou que o Governo brasileiro tem procurado fazer o possível para a "superação" da situação gerada com o golpe de Estado de Abril do ano passado.
O ministro brasileiro admitiu, no entanto, que os esforços realizados pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas, em conjunto com a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), a União Africana e a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), não têm obtido resultados satisfatórios.
"Temos de reconhecer que, até ao momento, a coordenação entre os actores internacionais não tem conseguido construir caminho satisfatório e consensual para o encaminhamento da questão, e que isso prejudica a própria Guiné-Bissau", reforçou.
O ministro apelou para que todos os países envolvidos na questão "tomem por parâmetro" as decisões do Conselho de Segurança e defendeu a actuação dos membros da CPLP na busca de uma "convergência" para a normalização da situação e volta da estabilidade.
"Espero que, num futuro não tão distante, a Guiné-Bissau possa somar-se aos trabalhos da nossa Zona de Paz e Cooperação", concluiu Patriota, que também citou como desafios o maior desenvolvimento económico e social da região.
A Zona de Paz e Cooperação no Atlântico Sul (Zopacas) foi criada por iniciativa brasileira em 1986, e integra, ao todo, 24 países, incluindo a maior parte dos africanos lusófonos, entre eles Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe.
A reunião a nível ministerial, que decorre entre hoje e quarta-feira, pretende traçar um plano de acção conjunto visando o fortalecimento das relações e do intercâmbio comercial entre os membros, bem como acções voltadas para o desenvolvimento, segurança e manutenção da paz na área.
O Atlântico Sul representa a principal rota marítima do comércio do Brasil, por onde passam 95 por cento das exportações e importações brasileiras.
VOZ DA RUSSIA SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Arquivo do blog segurança nacional