domingo, 28 de maio de 2017

Confira ranking de 5 países do Oriente Médio com maior arsenal de mísseis

Os israelenses têm o maior arsenal de mísseis e os lançadores de mísseis sauditas estão dirigidas contra Israel e o Irã: estes são apenas alguns dos fatos preocupantes que são revelados em um relatório novo sobre a presença deste tipo de armas no Oriente Médio.

Mais de 90% dos mais de 5 mil mísseis disparados em combate no mundo foram lançados no Oriente Médio. É assim que começa o novo relatório de Dennis M. Gormley sobre mísseis nesta região do planeta, publicado pelo Instituto do Oriente Médio (Middle East Institute), com sede em Washington.
Israel
Em sua análise, Gormley afirma que Israel tem o maior arsenal de mísseis, sendo que, 
para fins de dissuasão, o país dispõe principalmente de mísseis balísticos Jericho III (entre 4.800 e 6.500 km de alcance) dotados de ogivas nucleares.
Considera-se que os Jericho III são capazes de portar ogivas com uma carga útil de mil quilos. Estes mísseis usam um combustível sólido e estão instalados em silos capazes de resistir a ataques. Os Jericho III, assim como os mísseis Jericho II da geração anterior, podem estar instalados na base aérea de Palmachim, situada na parte central do país. Por sua parte, os mísseis de cruzeiro de ataque terrestre da série Popeye servem para efetuar ataques de precisão contra aeródromos e bunkers.
Além disso, o país conta com 3 sistemas antimíssil que reforçam suas capacidades de defesa. O primeiro é o interceptor de defesa de mísseis Arrow-3 que pode interceptar mísseis balísticos, inclusive a níveis mais altos que a atmosfera terrestre.
Ele é seguido pela Cúpula de Ferro israelense, um sistema móvel de defesa aérea que é capaz de interceptar foguetes de curto alcance e projéteis de artilharia de curta distância (de 4 a 70 km). O país possui também a Estilingue de David, um projeto conjunto dos EUA e Israel desenhado para interceptar aviões inimigos, drones, mísseis balísticos táticos, foguetes de médio e longo alcance (entre 30 e 300 km) e mísseis de cruzeiro.
Irã
A República Islâmica do Irã possui três variantes do míssil Shahab e 300 lançadores para eles. O Shahab-3 pode ser transportado por estrada e têm um alcance de mil quilômetros. Isto faz com que estes mísseis possam alcançar todo o território de Israel, o Afeganistão e o oeste da Arábia Saudita.
Outro míssil, o Gahr-1, amplia a capacidade de alcance de Teerã até 1.600 quilômetros. O Sajjil, um míssil de propulsor sólido com alcance entre 2 mil e 2.500 quilômetros, entrou no serviço em 2014 e, de acordo com Gormley, poderia eventualmente substituir o inventário de mísseis Shahab. Além disso, o autor recorda que o diretor da Organização Aeroespacial do Irã anunciou em 2012 que seu país tinha ou estava desenvolvendo 14 mísseis de cruzeiro diferentes.
Recentemente, o Irã apresentou seu míssil de cruzeiro de ataque terrestre Sumar, com alcance estimado entre 2.000 e 2.500 quilômetros. Precisamente esta semana, a agência de notícias persa Fars informou que o Irã tinha construído sua terceira fábrica subterrânea de mísseis balísticos, na qual se desenvolveria um novo míssil terra-terra batizado como Dezful. Quanto a sistemas de defesa antiaérea, a República Islâmica dispõe dos sistemas S-300 de fabricação russa.
Síria
A Síria chegou a ter um dos maiores arsenais de mísseis balísticos do Oriente Médio, mas o caos da guerra não permite realizar estimativas mais exatas sobre o potencial real, lamentou o analista.
De acordo com o relatório, o país árabe conta predominantemente com mísseis Scud-B, com alcance de 300 quilômetros, e Scud-C (550 km). Comunica-se também que a Síria pode possuir mísseis Scud-D com 700 km de alcance. Estes mísseis, junto com o míssil balístico Fateh-3 iraniano, de 200 km de alcance, podem garantir ao país um poder de fogo considerável, afirma o autor.
Além disso, é notável o arsenal de mísseis antinavio do país. Se estes mísseis de cruzeiro fossem equipados com ogivas químicas, poderiam produzir efeitos devastadores, sublinhou. Os sistemas russos S-300 e S-400, por sua vez, proporcionam proteção de uma parte do país.
Arábia Saudita
Riad tem um arsenal de mísseis balísticos pequeno, sendo todos eles adquiridos à China e modificados para portar somente ogivas convencionais. O país comprou seu primeiro míssil em 1987: o DF-3, altamente impreciso e alcance de 2.500 quilômetros. O especialista especificou que a orientação dos lançadores sugere que estes mísseis estejam dirigidas contra Israel e Irã, mas sua falta de precisão pressagia consequências graves, ainda mais se o país decidir atacar áreas urbanas.
No ano de 2007, os sauditas adquiriram o míssil chinês DF-21 (autonomia de voo de 1.700 km), de combustível sólido e com precisão melhorada. Além disso, Riad comprou mísseis de cruzeiro ocidentais Storm Shadow com alcance de até 300 km.
Turquia
Gormley assegura que a Turquia baseia sua segurança nas garantias de adquirir aos EUA e à OTAN, entre outros sistemas, um arsenal ilimitado de mísseis balísticos de curto alcance e o sistema tático americano ATACMS, com alcance de aproximadamente 250 km
.De acordo com o analista, Ancara também parece estar interessada em adquirir seu primeiro míssil balístico terra-terra de longo alcance, produzido pelo fabricante turco Roketstan. Os sistemas de defesa de mísseis balísticos também figuram hoje em dia entre as necessidades turcas, inclusive os que poderiam se integrar com outros sistemas da OTAN, destacou o especialista.
Em relação a isso, nos finais de abril o chanceler turco Mevlut Cavusoglu afirmou em uma entrevista à edição Haberturk que seu país tinha chegado a um acordo com Moscou para a compra de sistemas antiaéreos S-400 Triumf, visando substituir os antigos MIM-104.

Arquivo do blog segurança nacional