quarta-feira, 17 de julho de 2013

Presidente eleito do Irã rebate ameaças de ataque israelense

SAMY ADGHIRNI
DE TEERÃ

O presidente eleito do Irã, Hasan Rowhani, rebateu nesta quarta-feira ameaças de ataque israelense e zombou do Estado judaico.
"Quando um país regional miserável diz que todas as opções estão sobre a mesa, dá vontade de rir", afirmou Rowhani em Teerã, durante evento em homenagem aos veteranos da guerra Irã-Iraque (1980-1988).
"Quem são os sionistas para nos ameaçar?", indagou o presidente eleito, que assume em agosto no lugar de Mahmoud Ahmadinejad.As declarações aparentam ser uma resposta ao primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu, que no domingo voltou a deixar no ar a possibilidade de ordenar um bombardeio ao Irã e criticou Rowhani.
Em entrevista à emissora americana de TV CBS, Netanyahu disse que o Irã está "se aproximando da linha vermelha" pela qual, segundo o premiê, Teerã terá urânio enriquecido suficiente para fabricar a bomba atômica, limiar considerado inaceitável para o governo israelense.
Apesar de ser a única potência nuclear do Oriente Médio, Israel diz encarar o programa nuclear iraniano como ameaça existencial e questiona a eficiência das negociações diplomáticas com o regime iraniano.
Teerã nega querer um arsenal nuclear e usa a seu favor o argumento de que tratados internacionais lhe garantem o direito de enriquecer urânio para fins energéticos e medicinais.
Rowhani, que foi negociador nuclear chefe do Irã ate 2005, despertou entusiasmo em setores do Ocidente ao prometer mais flexibilidade nas conversas com as potências. Especula-se que o novo presidente eleito esteja disposto a diminuir o grau de pureza do enriquecimento de urânio, o que aumentaria garantias de que o programa nuclear iraniano não será desviado para fins militares.
Rowhani está submetido à autoridade do líder supremo, aiatolá Ali Khamenei, mas especula-se que os dois tenham acordado retomar uma abordagem mais conciliadora no dossiê atômico.
Mas Netanyahu disse à CBS que Rowhani é um "lobo em pele de cordeiro", que "sorri enquanto constroi a bomba".
Há temores de que um eventual fracasso na próxima rodada de negociações nucleares, ainda sem data, leve Israel a atacar o Irã, o que poderia gerar consequências devastadoras em todo o Oriente Médio.
ACENO AOS LINHA-DURA
Cerca de cinco semanas após triunfar nas urnas, o presidente eleito do Irã vem manobrando para costurar alianças necessárias à implementação de sua agenda, que tem viés reformista.
Após sugerir que buscará melhor relação com o Ocidente e dará maiores liberdades individuais aos iranianos, Rowhani adotou retórica mais sintonizada com as forças conservadoras que dominam o regime e cujo apoio político é necessário ao novo governo.
Além das críticas a Israel, ele deixou claro anteontem que manterá o apoio de Teerã ao regime sírio de Bashar Al Assad e ao grupo xiita libanês Hizbullah.
FOLHA...SNB

Arquivo do blog segurança nacional