quarta-feira, 15 de maio de 2013

EXÉRCITO NIGERIANO INICIA GRANDE OFENSIVA CONTRA EXTREMISTAS ISLÂMICOS


A Nigéria lançou uma campanha militar nesta quarta-feira para expulsar militantes islâmicos de suas bases em áreas de fronteira, depois que o presidente nigeriano, Goodluck Jonathan, declarou estado de emergência no nordeste do país.
Um grande número de soldados nigerianos se deslocou para a região, como parte de um plano governamental para derrotar a insurgência do grupo islâmico Boko Haram, que assumiu o controle de parte significativa do território.

"As operações, que envolvem o envio massivo de homens e recursos, são destinadas a assegurar a integridade territorial do país e aumentar a segurança de todos os territórios dentro das fronteiras da Nigéria", disse um comunicado na sede da Defesa.
Jornalistas da Reuters e moradores viram caminhões transportando soldados do Exército entrar nas localidades de Yola e Maiduguri após Jonathan declarar estado de emergência na terça-feira em três Estados - Borno, Adamawa e Yobe -, depois dos ataques de militantes do Boko Haram.
Desde seu início, em 2009, a insurgência tem custado milhares de vidas e desestabiliza a Nigéria, maior produtor de energia da África. O Boko Haram tem como alvo as forças de segurança, cristãos e políticos no norte do país, cuja população é, na maioria, muçulmana.
O envio de tropas provavelmente vai aplacar alguns dos críticos de Jonathan, que o acusam de não estar à altura da gravidade da crise, mas alguns políticos do norte já manifestaram o temor de que a ação militar eleve a tensão na região.
Também não está claro se o maior poderio militar pode vencer uma batalha contra um adversário que se mostrou ser mestre em desaparecer quando está sob pressão, apenas para ressurgir novamente em outro lugar.
Autoridades militares no Nordeste e na sede da capital, Abuja, não estavam imediatamente disponíveis para comentar o assunto.
Um repórter da Reuters viu seis caminhões transportando soldados entrando em Yola, capital do Estado de Adamawa. Na capital do estado de Borno, Maiduguri, a maior cidade da região e berço da revolta, os moradores também informaram que houve afluxo de tropas. O clima é tenso na cidade. A maioria das lojas fechou e há poucas pessoas nas ruas. Escolas foram fechadas.
"O que eu vi hoje de manhã me assustou", disse um homem em Maiduguri, Ahmed Mari. "Nunca vi soldados em movimento assim antes."
Outro entrevistado, Kabir Laoye, expressou temores generalizados de que civis poderiam ser apanhados no conflito: "As pessoas estão muito apreensivas em relação ao estado de emergência", afirmou.
SNB

Arquivo do blog segurança nacional