quarta-feira, 3 de abril de 2013

Navio lançador de mísseis vigia espaço entre os dois países


O Estado de S.Paulo
Cenário: Roberto Godoy
O principal elemento de reforço à estrutura de Defesa da Coreia do Sul enviado pelos Estados Unidos é o formidável destróier USS Decatur. O navio é um lançador de mísseis que pode funcionar ele próprio como uma espécie de escudo antimíssil embarcado. Além disso, age poderosamente como disparador de armas guiadas de precisão - a nova geração do grande Tomahawk, por exemplo. Construído em três anos, a partir de 1993, entrou em operação em 2000 como a 5.ª unidade da classe de navios armados com vários tipos de mísseis. Deslocando 6,7 mil toneladas, mede 154 metros e é tripulado por 281 militares. O arsenal é vasto: leva cerca de 90 mísseis convencionais e um número estimado em 80 armas guiadas, de disparo vertical, com capacidade para interceptar alvos aéreos a grande altura e alta velocidade - mísseis em rota de chegada, aviões e drones. Recheado de avançados sistemas eletrônicos - 12 deles -, o Decatur está cumprindo missões de vigilância nas águas internacionais do Mar do Japão/Mar da Coreia, com ordens de responder a "qualquer fogo agressivo".
As forças envolvidas na crise coreana são bem treinadas e abrangentes. A tropa de Pyongyang é uma das maiores do mundo - soma 1,2 milhão de homens e mulheres. As reservas de mobilização em 72 horas acrescentam 850 mil combatentes ao contingente. Em Seul, são 650 mil soldados e 450 mil reservistas. A frota de tanques é de cerca de 4 mil no norte e 2,7 mil no sul, onde os modelos K-1 são versões do americano Abrams, armados com canhões de 120 milímetros. A aviação da Coreia do Sul leva vantagem, alinhando 700 aeronaves, entre as quais os modernos F-15 Silent Eagle, da Boeing. Não há nada parecido entre os 570 aviões acima da zona desmilitarizada.
SNB

Arquivo do blog segurança nacional