terça-feira, 2 de abril de 2013

Kirchner volta a pedir diálogo no 31º aniversário da Guerra das Malvinas


​A presidente da Argentina renovou nesta terça-feira a exigência ao Reino Unido para iniciar um diálogo sobre a soberania das Ilhas Malvinas ao participar de uma cerimônia para marcar os 31 anos da guerra entre os dois países pelo arquipélago. "Negar-se ao diálogo é incompreensível", disse Cristina Kirchner no ato do Dia do Veterano e dos Caídos na Guerra das Malvinas realizado em Puerto Madryn, 1.317 quilômetros ao sul de Buenos Aires.
A governante disse que seu país continuará "pedindo sem hesitar" que o Reino Unido, que ocupa as Malvinas desde 1833, cumpra com as resoluções das Nações Unidas que pedem para ambas as partes iniciarem um diálogo sobre a soberania das ilhas. "Continuamos perguntando por que se negam a dialogar com um governo democrático", disse Cristina, que acrescentou de forma assertiva que "as coisas não vão poder continuar assim por muito tempo".
A atitude britânica é "incoerente demais", ressaltou. A presidente argentina disse que espera que o Reino Unido não utilize a questão das Malvinas para "ocultar o desastre econômico e social que ocorre hoje na Europa".
"Provocar a Argentina não adianta nada porque, na realidade, nosso país só participa de missões de paz com suas forças armadas", disse a governante, que mais uma vez questionou o envio por parte do Reino Unido de navios de guerra ao Atlântico Sul. Cristina esclareceu que não considera o Reino Unido um "inimigo" e ratificou que "a paz e a diplomacia" são as únicas vias válidas para a Argentina.
Além disso, a mandatária ressaltou o apoio recebido por parte de todos os países da América Latina à exigência de soberania sobre o arquipélago, adesão que na semana passada se formalizou em uma nova apresentação diante das Nações Unidas. "Essa não já é apenas uma causa argentina, é uma causa regional de soberania e uma causa global de luta contra o colonialismo", afirmou Cristina, que definiu as Malvinas como "um dos últimos vestígios de uma das marcas que mais envergonharam a história da humanidade, que é o colonialismo".
Por outro lado, a governante disse que seu governo avança com os trâmites para, por intermédio da Cruz Vermelha, conseguir identificar os corpos dos 123 combatentes argentinos na Guerra das Malvinas enterrados em túmulos sem nome no cemitério de Darwin, no arquipélago. A presidente disse que através do Ministério da Justiça já foram localizadas 91 pessoas com parentes mortos nas Malvinas, mas cujos corpos não foram identificados que deram seu consentimento para avançar com os pedidos à Cruz Vermelha.
Há exatamente um ano, Cristina enviou uma carta à Cruz Vermelha Internacional para pedir sua intervenção perante o Reino Unido para facilitar a identificação dos soldados mortos na guerra e enterrados como não identificados no cemitério de Darwin. A Cruz Vermelha pediu como requisito o consentimento por escrito dos parentes dos soldados sepultados sem identificação.
Kirchner disse que os caídos "merecem uma placa com seu nome e sobrenome para que seus pais possam se ajoelhar perante o túmulo e deixar uma flor". Além disso, disse que os combatentes sobreviventes "jamais voltarão a ser esquecidos ou escondidos, porque são a glória da nação" argentina.
Cristina lembrou, ainda, como os habitantes de Puerto Madryn, a poucos dias de terminar a guerra, receberam, alimentaram e abrigaram em suas casas os cerca de 8 mil soldados argentinos que desembarcaram na cidade de volta ao continente e que a ditadura militar que governou Argentina então tentou ocultar.
"Ocultaram isso, mas essa cidade, que nunca traiu a memória dos que lutaram por ela, foi buscá-los nas ruas, dar-lhes comida e levá-los para suas casas", lembrou a governante.
Em seu discurso, Cristina não fez qualquer menção ao referendo que os habitantes das ilhas responderam e no qual majoritariamente votaram a favor de manter o status de território ultramarino dependente do Reino Unido. O governo argentino considera a consulta ilegal e inválida.
 Agencia EFE ....TERRA  .......SNB

Arquivo do blog segurança nacional