quinta-feira, 25 de abril de 2013

A batalha dos drones na guerra contra o terror

MARCELO MOURA, FELIPE PONTES (TEXTO), OTÁVIO BURIN E PEDRO SCHIMIDT (GRÁFICO)
Em junho de 2004, Nek Muhammad, aliado do grupo terrorista al-Qaeda, dava uma entrevista por telefone, escondido nas montanhas do Paquistão. Durante a conversa, comentou sobre um estranho pássaro metálico no céu. Menos de 24 horas depois, um míssil explodiu seu esconderijo. Foi o primeiro ataque no país de um drone da CIA, o serviço de inteligência americano. A história é contada no livro The way of the knife (algo como O caminho da faca), lançado nos Estados Unidos na semana passada. Refúgio do líder da al-Qaeda, Osama bin Laden, mentor dos ataques aos EUA em 11 de setembro de 2001, o Paquistão tornou-se o palco principal da Guerra ao Terror. Os drones, aviões por controle remoto, atuam na linha de frente. Espionam suspeitos e, mediante autorização do presidente americano, disparam mísseis. Mesmo deputados do Partido Democrata, partidários do presidente Barack Obama, criticam a falta de transparência. Segundo a ONG britânica Bureau de Jornalismo Investigativo, os drones mataram 2.537 pessoas. O governo do Paquistão afirma que pelo menos 400 dos mortos eram civis inocentes. Os drones evitam a morte de soldados americanos, mas deixam a opinião pública dos EUA menos sensível a eventuais abusos cometidos por seus 
ÉPOCA....SNB

Arquivo do blog segurança nacional