quinta-feira, 28 de março de 2013

Club-K: a morte que vem do contentor

Ilia Kramnik..

A Rússia acabou de criar o sistema móvel modular de mísseisClub-K que não tem análogos em todo o mundo. Os especialistas dizem que esse equipamento abre uma nova página na criação de armamentos defensivos de nova geração.

O novo aspeto de uma arma conhecida
O sistema de mísseis Club é a versão para exportação dos mísseis russos Kalibr, já conhecidos do mercado há vários anos. Esses mísseis equipam muitos dos navios e submarinos de fabrico russo que foram exportados nos anos 2000 e, além disso, muitos clientes instalam-nos nos seus navios de superfície e submarinos que são modernizados.
Club-K, uma modificação dessa arma para a sua instalação em contentores, representa um ciclo completamente novo na evolução desse sistema. A rampa de lançamento, o sistema de comando e o sistema de comunicações e de navegação são instalados num módulo universal executado com a forma de um contentor marítimo ISSO de 40 pés (para os mísseis 3M-54 e 3M-14 do sistema Kalibr) ou de 20 pés (para os mísseis 3M-24 do sistema Uran).
A instalação de mísseis em estruturas desse tipo fornece um grau elevadíssimo de dissimulação do sistema e a possibilidade do seu baseamento em qualquer local que seja conveniente, incluindo os terminais de carga portuários e as cobertas de navios porta-contêinere s. Claro que não se pode dizer que esse tipo de arma é capaz de transformar qualquer navio de transporte num navio de guerra, contudo este tipo de “surpresas” podem se revelar muito desagradáveis mesmo para as grandes potências navais.
Tornar a guerra demasiado cara
O fato de nenhum país do terceiro mundo ser capaz de enfrentar uma superpotência sozinho e de que, sem um apoio externo, ele estará condenado a ser derrotado é um axioma. No entanto, existe um determinado conjunto de meios que permite tornar demasiado caro um potencial conflito para que alguém se arrisque a começá-lo. Um caso extremo da aplicação dessa ideologia é a Coreia do Norte, país que escolheu a bomba atômica como um meio para tornar a guerra proibitivamente dispendiosa, mas as relações e os conflitos internacionais têm muitos cambiantes e por vezes a ameaça do uso de mísseis de ataque pode ser suficiente para que o adversário busque uma solução de compromisso.
Os sistemas do tipo Club-K são os típicos representantes dessa ideologia. Nas guerras modernas, em que o conflito armado com grande frequência não impede a navegação marítima comercial, este tipo de arma, se existir um sistema indicador de alvo elementar, poderá ser mortal mesmo para navios equipados com o sistemaAegis ou com sistemas semelhantes. Só se pode excluir essa ameaça, e ainda assim não completamente, com a introdução de zonas muito extensas de exclusão da navegação, o que significa enormes prejuízos financeiros e ainda maiores gastos indiretos. Mesmo que, por exemplo, o Pentágono esteja disposto a isso, já o Capitólio e Wall Street poderão ter uma opinião completamente oposta. Essa diferença na admissão de opções poderá determinar de forma decisiva a questão da guerra e da paz.
VOZ DA RUSSIA ..SNB

Arquivo do blog segurança nacional