quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Submarino russo-italiano: síntese mutuamente vantajosa

Ilia Kramnik..
Submarino S-1000

A Rússia e a Itália retomam as obras de projeção de submarinos que se destinem à exportação. O uso de tecnologias e a experiência de ambos os países acumulada nesse segmento, poderão proporcionar elevadas receitas na altura em que muitos Estados procedem à criação ou à modernização de submersíveis em serviço das respectivas Armadas.

Sinergia como a chave do sucesso
O mercado de submarinos continua a alimentar os produtores com receitas estáveis. Os contratos de exportação abrangem praticamente todos os países produtores de submarinos – a RFA, a França e a Rússia. A par disso, os submersíveis modernos se tornam cada vez mais caros e complicados, o que implica a cooperação necessária para a sua projeção e a construção. A colaboração permite minimizar despesas com as obras de projeção, bem como tirar proveito de sucessos alcançados por escolas diferentes.
A idéia de convergência surgiu ainda nos finais da década de 90 do século passado, enquanto a projeção de um submarino de 1.000 toneladas se iniciou em 2004. Em 2008, as obras foram suspensas devido à crise econômica global. Todavia, a situação atual incute otimismo. É que, em face da demanda crescente, sobretudo, nos países da região asiática e do Pacífico, o projeto russo-italiano a cargo da empresa russa Rubin e a companhia italiana Fincantieri, pode vir a ser bem sucedido.
O novo submarino será usado, antes de mais, por aqueles países que buscam soluções baratas. O projeto S-1000 é, sem dúvida, polivalente, já que o submersível poderá servir tanto na luta contra os alvos da superfície e subaquáticos, como na colocação de minas e na execução de operações especiais. O navio é capaz de acolher, para além da tripulação, um grupo de seis fuzileiros navais especialmente treinados para atos diversionistas.
O submarino com o equipamento total não traz mísseis, nem possui o bloco energético anaeróbico, o que reduz a autonomia de navegação subaquática. Mas isso se reflete no preço relativamente baixo que, ao que parece, não deverá ultrapassar 120-150 milhões de dólares por uma embarcação. Tais despesas, aliadas à manutenção técnica e à preparação de tripulantes, são admissíveis até para os países pobres.
Deste modo, o S-1000 tem chances de virar um produto real nos próximos 2-3 anos sem ter sentido a oposição de concorrentes em termos de preço.
As obras de projeção não impedem a realização de projetos russos, incluindo a construção do Amur-950 similar a ser dotado de mísseis e armamentos mais pesados. O Amur-950 dispõe de 10 rampas de lançamento verticais, podendo ser equipado ainda com os módulos energéticos anaeróbicos, o que reforça a sua capacidade combativa.
Até há pouco, a exportação do Amur foi impedida pela ausência de módulos anaeróbicos produzidos em série. Para suprir a falta, o Ministério da Defesa planeja retomar a produção em série de submarinos do projeto 677, dotados de blocos anaeróbicos. Assim sendo, para além do Amur-950, serão postos à venda os submersíveis do projeto 677, destinados para a exportação com o nome Amur-1650. Este último já despertou interesse da China e da Indonésia. Quando os submarinos do projeto 677 entrarem em serviço, este interesse poderá concretizar-se em contratos reais
VOZ DA RUSSIA..SNB

Arquivo do blog segurança nacional