sábado, 9 de fevereiro de 2013

Exportações de armas russas ultrapassaram US$ 15 bi em 2012


A Rússia continua a ser o segundo maior exportador de armas do mundo, somando um total de US$ 15,13 bilhões em exportações em 2012, dois bilhões a mais do que no ano anterior. Se o porta-aviões Vikramaditia, construído para a Marinha indiana, tivesse alcançado êxito nos testes e sua entrega não fosse adiada para o outono de 2013, o valor das exportações de armas russas teria ultrapassado os US$ 17 bilhões no ano passado.
Embora a Rússia siga atrás dos EUA, que apresenta um valor de exportação militar três vezes superior, a tendência atual, tanto em valor como volume físico, está satisfazendo o governo e os dirigentes da indústria armamentista nacional. A perda dos contratos com a Líbia e a suspensão dos acordados anteriormente firmados com Irã e Síria não tiveram impacto negativo sobre as exportações russas. A verdade é que, intimidados com revoluções árabes, os países emergentes estão aumentando as compras de equipamento militar.
China e Índia também ampliaram as verbas destinadas às compras de armas russas, além dos grandes e antigos consumidores como Argélia, Venezuela, Vietnã, Indonésia. No ano passado, a lista de clientes da indústria armamentista russa foi incrementada pelo Azerbaijão, Iraque e até mesmo os EUA, que manifestaram interesse em comprar 70 helicópteros para o exército afegão.
De acordo com um relatório produzido pelo Congresso norte-americano, a Rússia aprendeu a ser mais flexível nos contatos com os clientes nos últimos anos, oferecendo-lhes condições de pagamento favoráveis.
O relatório descreve ainda a disponibilidade da Rússia para fechar acordos de produção de suas armas sob licença com a Índia e a China. A empresa Rosoboronexport, única exportadora autorizada de armas e equipamentos militares da Rússia, assinou um contrato com a China no ano passado para a entrega de 52 helicópteros de carga Mi-171E por US$ 600 milhões.
Paralelamente, os observadores também apontam os riscos decorrentes dessa relação com a China, como engenharia reversa e reprodução não autorizada de sistemas estrangeiros. Em 2011, por exemplo, a China começou a fabricar o caça J-16 com base na aeronave russa Su-30MK2, adquirida em meados dos anos 2000.
Armas cobiçadas
Para saber quais armas russas são mais requisitadas mundo afora, a revista “Forbes” comparou as estatísticas do Centro de Análise do Comércio Mundial de Armas e do Congresso norte-americano no período entre 2008 e 2012:Entre 2008 e 2011, a Rússia exportou 7.750 sistemas de mísseis antiaéreos; os EUA, 944, e a Europa Ocidental, 290. No ano passado, o país vendeu 42 sistemas de mísseis e canhões antiaéreos Pancir-S1 ao Iraque, no valor de US$ 4,2 bilhões. Os iraquianos se dispõem ainda a comprar até 30 helicópteros de ataque Mi-28NE e, possivelmente, caças MiG-29M/M2..Entre 2008 e 2011, a Rússia vendeu 570 tanques e 490 veículos blindados para países estrangeiros; os EUA, 348 tanques e 234 veículos blindados, e a Europa Ocidental, 360 e 470, respectivamente. No ano passado, a Rosoboronexport assinou um contrato com o Ministério da Defesa da Indonésia para o fornecimento de 37 veículos blindados BMP-3F, no valor de US$ 114 milhões, e um contrato de cerca de US$ 600 milhões com a Índia para fornecer sistemas antitanque Invar e Konkurs-MNesse mesmo período, a Rússia exportou 180 aviões de combate, 3,3 vezes mais do que os Estados Unidos. Em 2012, os russos fecharam um contrato no valor de US$ 1,5 bilhão com a Índia para o fornecimento de componentes usados na montagem de 42 aviões de caça Su-30MKI e um contrato de desenvolvimento conjunto de um avião de transporte multimissão. Além disso, a Rússia assinou um contrato de fornecimento de motores para caças Su-27/30 com a China.No período de 2008 a 2011, a Rússia vendeu 270 helicópteros aos países em desenvolvimento. Nessa mesma época, os EUA venderam apenas 52 aeronaves, enquanto a Europa Ocidental, 110. No ano passado, a Rússia assinou um contrato para o fornecimento de 52 helicópteros Mi-171E (cerca de US$ 600 milhões) à China e 10 helicópteros Mi-17V-5 aos EUA, com destino ao exército afegão.Entre 2008 e 2011, a Rússia vendeu 220 sistemas antimísseis; os EUA, 176, e a Europa Ocidental, apenas 60. Em 2012, os russos venderam duas fragatas do projeto 11356 (no valor de cerca de US$ 1 bilhão) para a Índia, que também alugou o submarino nuclear de ataque russo Nerpa, rebatizado de INS Chakra.
 Igor Popov, Forbes.ru..SNB

Arquivo do blog segurança nacional