sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

SISCENDA

A FAB está desenvolvendo o datalink tático Sistema de Comunicações por Enlaces Digitais da Aeronáutica (SISCENDA) que será compatível, futuramente, com sistemas semelhantes e interoperáveis da Marinha e Exército.

O uso de datalink na FAB iniciou com um projeto para instalar um sistema no ALX (A-29A/B) para se comunicar com o R-99 em 1998. O hardware de origem alemã tem software desenvolvido no país, como o sistema C2 do R-99. É a parte em operação, mas de forma global o SISCENDA ainda está na fase de concepção. O SISCENDA será implementado completamente em cerca de uma década.

O SISCENDA utilizará dois tipos básicos de enlaces: o ponto-a-ponto, para as comunicações entre dois participantes (basicamente ar-solo); e o enlace em rede TDMA (Time Division Multiple Access), para as comunicações entre vários participantes, principalmente em vôo. Ambos, empregando uma técnica de salto de freqüência, controlada por um algoritmo de criptografia, que garante que as comunicações ocorram, praticamente, imunes a interferências e a interceptações.O conjunto transceptor VHF/UHF (30-400MHz), processador ECCM (contra contramedidas), processador de dados capaz de realizar função de datalink ou comunicação digital de voz entre as aeronaves R-99 e estações de solo do SIVAM faz parte da família 400U da Rohde & Schwarz. Nas aeronaves A-29A/B serão usados os transceptores M3AR da série 6000. O F-5BR, AMX-M e F-X BR também serão equipados com o datalink alemão e serão compatíveis entre si.


O SECOS (Secure ECCM Comunications System) é o padrão de enlaces de dados do SIVAM, que faz repasse da síntese radar para os interceptadores, dando uma visão comum da área de operações. O SECOS foi escolhido em 1997. Faz uso de técnica TDMA, salto de frequência e criptografia.

O rádio modular controlado por software M3AR pesa menos de 4kg e pode aceitar os modos de contra-contramedidas HaveQuick (americano/OTAN), SATURN (britânico), SECOS (escolhido pela FAB) e UHF DAMA para comunicação de satélites, além de VHF de datalink de trafego aéreo (25/8.3kHz) e VHF AM e FM apenas com instalação de software.

O rádio muda de frequência a 200hops/segundo (SECOS 1) ou 500hops/s (SECOS 2) e 8.5hop/s na banda HF(se disponível). A transferencia de dados é de 64kbits/s ou maior para retransmissão de dados e vídeo na faixa V/UHF e 5,4kbps (9,6kbps por pouco tempo) na banda HF (não usado). As freqüências selecionadas e os modos de operação são controles por software e apresentados nas telas multifunção e UFPC.

Os rádios fazem parte da família de rádios multibanda e multifrequência programáveis da família M3XR e inclui versões navais M3SR/Serie 4400 e terrestre M3TR (adquirido pelo Exército) desenvolvidos desde 1997. A versão aérea também equipa os caças JAS-39 Gripen lote II e III. Com modem externo podem ter interface com o Link 4 (STANAG 5504), Link 11 (STANAG 5511), Link 16 e Link 22 (STANAG 5522).Datalinks da Marinha

A Emgerprom desenvolveu e produz o Módulo de Enlace Automático de Dados (EAD) para trocar dados táticos e comandos entre navios, submarinos e aeronaves equipados com o Sistema de Controle Tático (SICONTA) . Usa rádios HF e UHF operando com protocolos Link YB, Link 14 e Link 11. O EAD tem conceito modular e usa componentes comerciais (COTS).

Com o Link Y o EAD é capaz de transmissão e recepção de até 61 alvos; velocidade de transmissão de 300, 600 ou 1200 bps; modo de operação tipo transmissão única, Time Slot; número de slots máximo de 24 Slots; com modo de estação: controladora, dependente ou retransmissora.  Com Link 14 tem velocidade transmissão de 75 bps (padrão), ou até 1200 bps (programável)O IPqM desenvolveu tecnologias de datalinks usando os próprios rádios das aeronaves e navios. Estes datalinks tinham capacidade de contramedidas eletrônicas desenvolvidas pela CASNAV com algoritmos criptográficos e salto de frequêcia.

O IPqM usou a experiência com o TTI e do SICONTA funcionando em rede com o link das Fragatas e Corvetas para lançar um sistema nacional para as outras Forcas chamado ETB-1 (Enlace Tático Brasileiro).

A FAB escolheu o sistema da Rhode-Schwartz para equipar os R-99 do SIVAM com um link ponto-a-ponto (não funciona em rede) e complemente diferente do que a MB já vinha usando a anos.

Em uma reunião entre as três forcas a FAB apresentou a nova geração dois do Security Communication System (SECOS) para o ALX, FX e PX e outras aeronaves como sendo o que tinha de melhor.

O novo SECOS tem capacidade de mais de 200 saltos de frequência por segundo(CCME), acesso múltiplo compartilhado no tempo (TDMA), capacidade de até 32 participantes na rede, algoritmo criptográfico forte e interoperabilidade. Porém não é nacional, é considerado caro, e o alemães tem o código criptográfico.

Por questões contratuais da FAB com a Rhode-Schwartz e devido ao SIVAM ser a única fonte de renda para as três forcas, o SECOs passou a ser uma opção viável das forças conseguirem se entrelaçarem digitalmente as informações.

A MB considera seus sistemas já desenvolvidos melhores e acha que está dando um passo para trás com o SECOS. Um dos motivos é não funcionar em HF pois a FAB usa uma rede de retransmissão em terra para os sinais de VHF e UHF. No mar está rede não existe.

O PX também terá o sistema Link YB da MB para manter os dois sistemas de datalink em paralelo para suprir as carências do SECOS em comunicação a longa distância
SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Arquivo do blog segurança nacional