quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Israel - Foguetes do HAMAS alcançam Tel Aviv

GAZA, 15 Nov  - Um foguete lançado pelo grupo islâmico Hamas matou três israelenses nesta quinta-feira ao norte da Faixa de Gaza, marcando as primeiras mortes de israelenses em num momento no qual o número de mortos palestinos chega a 13 e o confronto militar se aproxima de uma possível guerra aberta com a invasão do território palestino.

Aviões israelenses de guerra bombardearam alvos na cidade de Gaza e no entorno, onde os edifícios balançaram. Nuvens de fumaça e pó tomavam o céu, misturando-se aos rastros do vapor do lançamento dos foguetes.

O Hamas afirmou ter lançado um foguete Fajr 5, de fabricação iraniana, de 1 tonelada, em direção a Tel-Aviv, no que poderia ser uma grande escalada no conflito, mas não houve registros do impacto do projétil na metrópole israelense, situada a 50 quilômetros ao norte da Faixa de Gaza.

O Irã, inimigo declarado de Israel, apoia e arma o Hamas e condenou a ofensiva do Exército de Israel, que qualificou de "terrorismo organizado".

Em Israel a maior preocupação era com a reação no Egito, cujo novo governo islamista promoveu uma trégua entre as duas partes na terça-feira, mas um dia depois o trato foi rompido, quando Israel assassinou o principal comandante militar do Hamas.

O Hamas é uma vertente da Irmandade Muçulmana, que agora governa o Egito, o mais poderoso vizinho árabe de Israel e parceiro crucial desde o acordo de paz firmado entre os dois países em 1979, o qual se mantém em meio à frágil estabilidade e caos regional.

O governo egípcio condenou a ofensiva israelense e chamou de volta seu embaixador em Israel. O embaixador israelense deixou o Cairo, mas a viagem foi qualificada como visita rotineira a seu país de origem e o governo de Israel afirmou que sua representação no Cairo permaneceria aberta.

A Irmandade Muçulmana, mentora espiritual do Hamas, convocou um "dia de fúria" nas capitais árabes na sexta-feira.

No Líbano, o grupo Hezbollah, milícia xiita apoiada pelo Irã, qualificou os ataques israelenses a Gaza como "agressão criminosa" e pediu para que os Estados árabes "parem o genocídio".

O Hezbollah tem milhares de combatentes e cerca de 50 mil foguetes no sul do Líbano direcionados para o Estado judaico, segundo o Exército israelense. Mas a fronteira libanesa permaneceu calma.

SEGUNDO DIA

O Exército israelense informou ter atingido 156 alvos em Gaza, dos quais 126 eram bases de lançamento de foguetes. Segundo os militares, 200 projéteis caíram em Israel desde o início da operação, sendo 135 a partir da meia-noite de quarta-feira.

O sistema israelense de interceptação, que identifica os foguetes direcionados para áreas povoadas, derrubou 18 projéteis nas primeiras horas do segundo dia da operação denominada Pilares da Defesa, de acordo com um informe oficial.

Um dos foguetes não interceptados atingiu as vítimas antes de alcançarem os abrigos contra ataques, espalhados por toda a parte na região do deserto do Neguev, alvo de ataques esporádicos de foguetes de palestinos da Faixa de Gaza nos últimos cinco anos.

Segundo a polícia israelense, os três morreram quando um foguete atingiu um prédio de quatro andares na cidade Kiryat Malachi, cerca de 25 quilômetros ao norte do território palestino. Eles foram os primeiros mortos do conflito recente entre Israel e a Faixa de Gaza.

A ofensiva começou na quarta-feira quando um ataque aéreo israelense assassinou o planejador militar do Hamas, Ahmed Al-Jaabari, e Israel bombardeou o enclave por terra, mar e ar.

Os 13 palestinos mortos incluem Jaabari e seis combatentes do Hamas e seis civis, incluindo uma mulher grávida de gêmeos um bebê de 11 meses e duas outras crianças, de acordo com o Ministério da Saúde do território palestino. Os serviços médicos informaram que houve pelo menos 130 feridos.
SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Arquivo do blog segurança nacional