quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Aviões de combate estão parados por falta de contrato de manutenção


O voo inaugural foi em novembro, mas desde janeiro não sai do chão. A Polícia Federal explicou que adequações necessárias ao projeto original estão sendo realizadas.

BOM DIA BRASIL

Um avião de última geração comprado pelo governo para vigiar as fronteiras está parado desde janeiro. Foi um investimento milionário para o combate ao tráfico de drogas. Está parado porque falta o contrato de manutenção e olha que o projeto já tem quatro anos. Uma ferramenta de inteligência, segundo a Polícia Federal, para monitorar a fronteira brasileira. Agora, a polícia reconhece: a prioridade é assinar o contrato de manutenção. E aí retomar as operações.
O avião é um espião aéreo, fotografa e filma pessoas ou objetos no solo, com nitidez. Tudo é transmitido em tempo real para equipamento em terra, onde fica o piloto. O veículo aéreo não tripulado recebe os comandos por meio de controle remoto. O Vant é capaz de voar por 37 horas, sem parar, cobrindo mais de mil quilômetros. Foi comprado pela Polícia Federal para vigiar as fronteiras. Missão: identificar criminosos e rotas do crime.
O voo inaugural foi em novembro, mas desde janeiro não sai do chão. Está guardado em um hangar em São Miguel do Iguaçu, no Paraná. A Polícia Federal explicou, por meio de nota, que adequações necessárias ao projeto original estão sendo realizadas para que a aeronave retome suas operações em breve. E que em virtude da grandiosidade do projeto, é necessária precaução quanto à manutenção dos equipamentos. Por isso, está sendo feito ajuste num novo contrato de manutenção.
O Tribunal de Contas União começou uma auditoria em maio no processo de compra. E pediu explicações a Polícia Federal. Não há prazo para que o veículo não tripulado da Polícia Federal volte à atividade. E até o fim do ano outro Vant deve chegar ao Brasil. O gasto até agora foi de quase R$ 80 milhões. Que inclui, além dos aviões, equipamentos, manutenção e treinamento de pilotos que operam o controle remoto.
Foram treinados 13, ao custo de um milhão e 900 mil reais cada. Segundo a polícia, o valor inclui a ida deles a Israel, onde fica a fábrica do Vant. Um especialista em segurança explica que o equipamento é de ponta, é caro, necessário nas fronteiras, mas, segundo ele, nesse caso, parece haver problemas burocráticos e de gestão, que acabam gerando custos.
“Não pode mais ficar parado. De uma maneira um pouco mais radical, eu poderia dizer: ‘isso deveria estar funcionando amanhã’”, diz Roberto Aguiar, especialista em segurança.
O projeto prevê a compra de 12 aeronaves. Que garantiriam, sempre segundo a Polícia Federal, a segurança de todo o território nacional: 16 mil km de fronteira
segurança nacional blog

Arquivo do blog segurança nacional