sexta-feira, 28 de julho de 2017

Exército russo receberá minas anti-helicóptero revolucionárias (VÍDEO

Minas costumam ser associadas à destruição de alvos terrestres. Mas imagine que uma mina pudesse atingir um objeto voador. O que soaria como ficção será uma realidade nas mãos do Exército russo, que receberá os novos armamentos anti-helicópteros.
“Funciona em quaisquer condições climáticas e em qualquer ambiente. Então você pode defender mares e rotas terrestres”, disse Vladimir Niyazov, criador de armas e CEO da corporação FKP "GkNIPAS", ao portal Russia Beyond The Headlines.
As minas são colocadas acima do solo, de modo que os soldados não precisam gastar tempo cavando buracos. Cada mina contém 12 explosivos que são ativados quando um helicóptero inimigo chega a uma distância de 100 metros.
“Essas minas possuem um sistema acústico que detecta o som das lâminas do helicóptero. Quando voa para um certo alcance, cada mina é disparada, enviando 12 explosivos para o céu e perfurando tudo em seu caminho a uma velocidade de 2 a 3 km/s”, acrescentou Niyazov.
O criador de armas também disse que os helicópteros amigáveis poderão voar sobre as minas sem ativá-las.
“O campo minado é ativado e desativado por um operador a partir de uma base militar. Assim, uma vez que os comandantes são informados de helicópteros amigáveis ou UAVs [veículos aéreos não-tripulados] em uma ‘zona de perigo’, o operador desliga remotamente as minas”, explicou.O que vem a seguir
O sistema passou todas as provas e será entregue ao Exército russo nos próximos anos. No entanto, os especialistas acreditam que a Rússia não usará essa arma em suas operações no exterior, temendo a possibilidade de um fogo amigável.
“Os terroristas do Daesh não têm helicópteros e seus UAVs podem ser derrubados pelos sistemas de defesa aérea portáteis do nosso exército. Então, essas minas provavelmente passarão a maior parte do tempo armazenadas”, disse Alexei Ramm, analista militar do jornal Izvestia.
Enquanto isso, Niyazov acredita que esta inovação tem potencial de exportação.
“Nós já nos encontramos com delegados militares da China, Emirados Árabes Unidos e Irã. Mas nós só iniciaremos negociações uma vez que a Rosoboronexport [estatal responsável pelo setor] finalize toda a papelada e nos dê permissão para vender essas minas aos parceiros estrangeiros da Rússia”, afirmou.

Arquivo do blog segurança nacional