sábado, 22 de julho de 2017

China planeja tomar a liderança dos EUA em inteligência artificial até 2030

O Conselho de Estado da China publicou um novo relatório detalhando o novo plano da nação para criar uma indústria de inteligência artificial de 10 trilhões de yuans (US $ 1,48 trilhão) na República Popular até 2030, tornando a China o líder mundial em IA em vez de atual presidente nos EUA.
O plano, que foi aprovado pelos mais altos níveis da autoridade de Pequim, descreve um projeto de 13 anos para levar a China à vanguarda do crescente campo da IA. "A inteligência artificial tornou-se um novo mecanismo de desenvolvimento econômico", diz o documento. "Devemos tomar a iniciativa de compreender firmemente esta nova etapa de desenvolvimento para a inteligência artificial e criar uma nova vantagem competitiva".
A iniciativa foi dividida em três fases. Em 2020, a China pretende ser o lar de empresas de IA líderes no mundo, com uma indústria avaliada em 1 trilhão de yuans (US $ 148 bilhões). Até 2025, eles pretendem quintuplicar o valor da indústria para 5 trilhões de yuans com avanços tecnológicos e, até 2030, pretendem ser o líder mundial em tecnologia e economia de IA com uma indústria de 10 trilhões de yuans.
Naturalmente, a China enfrentará uma forte concorrência em seu parceiro econômico e rival, os Estados Unidos. Gigantes de tecnologia norte-americanos como a Alphabet, Microsoft e Apple fizeram avanços na indústria emergente. Cinco bilhões em capital de risco foram investidos em empreendimentos de IA americanos em 2016 sozinhos.
Mas a China possui empresas de tecnologia próprias, como Baidu e Tencent, que exploraram a IA por direito próprio. A China já está com pescoço e pescoço com os Estados no campo relacionado da supercomputação, e suas universidades emitiram mais artigos sobre o aprendizado profundo (um conceito-chave na IA) em 2016 do que seus homólogos americanos.
A iniciativa em inteligência artificial é o último passo nos esforços do presidente chinês Xi Jinping para levar a China à frente das inovações tecnológicas. Durante um discurso em maio, onde delineou suas ambições da China como líder mundial, Xi discutiu suas intenções para o investimento chinês em avanços de ponta.
Devemos buscar o desenvolvimento impulsionado pela inovação e intensificar a cooperação em áreas de fronteira, como economia digital, inteligência artificial, nanotecnologia e computação quântica, e promover o desenvolvimento de grandes dados, computação em nuvem e cidades inteligentes, de modo a transformá-las em uma Rota da Seda digital do século 21. Devemos estimular a plena integração da ciência e da tecnologia em indústrias e finanças, melhorar o meio ambiente para a inovação e reunir recursos para a inovação", disse o presidente.
Falando para o The Diplomat, um professor da Universidade de Ciência e Tecnologia de Xangai afirmou que o apoio de Pequim significará que "muitos estudiosos e especialistas chineses de IA que costumavam trabalhar em países estrangeiros decidiram vir para a China e se tornar líderes em vários cargos".
Mas a busca da IA é uma espada de dois gumes. Muitos especialistas temem que isso possa levar ao desemprego em massa e a uma catástrofe econômica. Este risco é duplo para países menos desenvolvidos, como a China — mesmo com seus avanços maciços, centenas de milhões de chineses ainda ganham vida na agricultura ou trabalham em fábricas. Estes seriam alguns dos primeiros trabalhos a serem totalmente automatizados em um mundo de máquinas.
Ao desenvolver vigorosamente a inteligência artificial, devemos atribuir grande importância ao possível risco", diz o documento do Conselho de Estado.

Arquivo do blog segurança nacional