quinta-feira, 29 de junho de 2017

Ministério da Defesa russo chama novo porta-aviões britânico de 'alvo marítimo oportuno

O representante oficial do Ministério da Defesa russo, general-major Igor Konashenkov, afirmou que o novo porta-aviões britânico Queen Elizabeth é um "alvo marítimo oportuno".

Mais cedo, em uma entrevista ao jornal Telegraph, o secretário da Defesa do Reino Unido disse que os russos enxergariam o maior porta-aviões britânico com inveja e admiração.
"As declarações do chefe da entidade militar britânica, Michael Fallon, em relação à superioridade, no aspecto visual, do novo porta-aviões sobre o navio russo Admiral Kuznetsov demonstram sua evidente falta de conhecimento da ciência militar e naval", afirmou.
O militar frisou que, sem ajuda externa, o porta-aviões britânico é apenas capaz de deixar sair os aviões, precisando de ser densamente cercado por navios de combate, de manutenção e submarinos para o defender.
Por isso, ao contrário do navio Admiral Kuznetsov, equipado com armamentos antiaéreos e, o que é o mais importante, antinavio, isto é, [mísseis] Granit, o porta-aviões britânico é apenas um alvo marítimo oportuno de grande envergadura", frisou Konashenkov.
O representante oficial do Ministério da Defesa russo resumiu que "tomando tudo isso em conta, é do interesse da Marinha Real britânica não demonstrar a 'beleza' do seu porta-aviões mais perto que umas centenas de milhas do seu congénere russo.
O maior navio da Marinha do Reino Unido, o porta-aviões Queen Elizabeth, partiu em sua primeira missão nesta segunda-feira (26), de acordo com o canal Sky News. O navio, batizado em homenagem à rainha Isabel I (reinado de 1558 a 1603), é o segundo navio da Marinha da Grã-Bretanha a receber este nome, nota o canal.
O porta-aviões tem uma tripulação de mais de 700 homens. De acordo com o Guardian, o navio custou à Grã-Bretanha 3,5 bilhões de libras esterlinas (R$ 14, 9 bilhões).
O navio Admiral Kuznetsov, por sua vez, participou do grupo aeronaval russo composto também pelo cruzador Pyotr Veliky, pelos destróieres antissubmarino Vitse-Admiral Kulakov e Severomorsk, por navios de apoio e mais de 40 aviões e helicópteros, que desde 8 de novembro de 2016 até fevereiro de 2017, levou a cabo diversas missões militares de combate ao terrorismo na Síria.
Durante os dois meses da operação, os pilotos da aviação embarcada efetuaram 420 voos, responsáveis pela destruição de 1.200 alvos terroristas.
Nesta quarta-feira (28), o vice-comandante da Marinha russa, almirante Viktor Bursuk, afirmou aos jornalistas que a Marinha russa vai modernizar o poderoso navio russo Admiral Kuznetsov já em 2018.

Arquivo do blog segurança nacional