domingo, 7 de maio de 2017

EUA não vão defender Seul?

No dia 25 de abril, começou a retirada do 8º exército das forças armadas dos EUA da zona desmilitarizada. Até o final deste ano, o comando e algumas unidades, que estão tanto ao norte de Seul como no centro da cidade na base militar de Yongsan, devem se deslocar para a base de Camp Humphreys na cidade de Pyeongtaek.

A própria retirada das tropas americanas não é uma novidade, as negociações sobre isso têm decorrido desde 2003. No entanto, o início de uma movimentação de tal envergadura num período em que a Coreia do Norte e os EUA estão à beira de um conflito armado faz pensar.
Primeiro, devemos notar que a retirada dos EUA é taticamente viável. As duas brigadas americanas ao norte de Seul são claramente insuficientes para conter um possível avanço norte-coreano, além disso, elas poderiam ser simplesmente destruídas com um ataque inesperado da artilharia de longo alcance. É notável que as unidades retiradas estão situadas precisamente na rodovia e ferrovia que ligam Seul a Wonsan, onde recentemente foram realizados os exercícios de tiro do exército da Coreia do Norte. A distância entre as forças avançadas da 2ª divisão de infantaria dos EUA e a zona desmilitarizada era de cerca de 20 quilômetros. Agora elas estarão a mais de 100 quilômetros dessa zona.
Quanto às brigadas que estão aquarteladas em Seul, em caso de um possível início da guerra elas ficariam bloqueadas na cidade. Enquanto que a partir de Pyeongtaek as forças americanas podem rechaçar as tentativas norte-coreanas de envolver Seul por leste ou de efetuar um desembarque no litoral na área de Inchon, ou seja, não permitir aos norte-coreanos cercar a cidade e garantir os abastecimentos às tropas que defendem a capital. Deste ponto de vista a nova localização das unidades americanas é mais razoável e dá oportunidades para ações eficientes.
Mas temos de reconhecer que a retirada do estado-maior do 8º exército de Yongsan significa que o comando americano admite aparentemente que, em caso de assalto a Seul pelo exército norte-coreano, será extremamente complicado manter a parte setentrional da cidade, por isso ele está disposto a sacrificá-la para preservar a possibilidade de realizar um contra-ataque subsequente.
No caso de início de uma invasão norte-coreana, os EUA provavelmente vão aguardar, porque eles precisam de tempo para concentrar e organizar os restos do exército sul-coreano, aproximar a aviação e a marinha, bem como obter reforços do Japão e EUA. Eles têm que envolver os norte-coreanos em combates urbanos e não permitir que eles desenvolvam seu avanço para sul. Para estes fins, do ponto de vista da estratégia militar, a entrega parcial de Seul é completamente justificada.
Entretanto, para os cidadãos comuns isso será uma catástrofe. Para eles a guerra vai começar provavelmente por uma onda de rumores muito alarmantes e mensagens na Internet. As ruas serão rapidamente entupidas por carros e pessoas tentando abandonar a cidade. Depois, aos bairros suburbanos setentrionais fluirão em desordem os soldados sul-coreanos das unidades derrotadas e parcialmente aniquiladas. Ao mesmo tempo, os sul-coreanos ouvirão o troar da artilharia norte-coreana. Durante a noite, ou na manhã seguinte, nos subúrbios nortenhos de Seul surgirão as divisões de assalto norte-coreanas e começará um combate urbano, espontâneo e bem violento.
As vítimas deste tipo de batalha por Seul serão provavelmente incontáveis, mas a guerra tem sua própria lógica cruel, e os EUA parecem tencionar segui-la rigorosamente.
Matéria preparada pela Sputnik Coreia 

Arquivo do blog segurança nacional