terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Qual será papel das alianças com Rússia e China para crescimento da América Latina?

Na América Latina há expectativas de mudanças em 2017. Um dos fatores cruciais é a vontade de alguns governos latino-americanos "de acabar com a dependência" dos EUA para que Rússia e China possam desempenhar um papel crucial.

Eis a opinião que Ernesto Wong, especialista cubano em assuntos internacionais e professor da Escola de Estudos Internacionais da Universidade Central da Venezuela, expressou à Sputnik Mundo.
"A América Latina está enfrentando obstáculos nas relações com os EUA e se abre para a Eurásia, mais precisamente para Rússia e China, o que vai eliminar a dependência imperialista e criará melhores condições para intercâmbio, comércio e aumento de investimentos neste ano de 2017", sublinha.
No que diz respeito à China, Wong se referiu à reunião realizada com a Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC) em 20 de janeiro, acrescentando que "nenhum dos governantes da Aliança do Pacífico (Chile, Peru, Colômbia e México) queria romper relações com a China".
Segundo ele, "os EUA se encontram em uma situação crítica como consumidor e têm reduzido drasticamente suas compras, por causa dos tratados de livre comércio, algo que Trump quer desistir, pois pretende dar uma maior prioridade à indústria nacional".
Além da China e Rússia, é provável também que a América Latina canalize mais investimentos à África. Na opinião de Wong, a orientação para a África "dará mais possibilidades de mercado para produtos da América Latina, e a África será beneficiada, pois haverá condições iguais de intercâmbio".
Afinal, o distanciamento dos EUA e a aproximação entre a Eurásia e os países latino-americanos permitirão criar um terreno "para fazer com que países da América Latina sejam mais independentes e soberanos".  

Arquivo do blog segurança nacional