quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Mudança de jogo: China protegerá seus céus com sistemas russos S-400 em breve

O diretor de cooperação internacional da Corporação Estatal russa Rostec, Viktor Kladov, comunicou que já foi iniciada a produção dos sistemas antiaéreos S-400 Triumph para a China.

Durante conversa com o serviço russo da Rádio Sputnik, o especialista militar Oleg Ponomorenko explicou por que os sistemas de mísseis de ponta serão responsáveis pela mudança de jogo para os militares chineses.
Na terça-feira (14), ao falar com repórteres durante exposição internacional Aero India 2017 em Bangalore, Kladov confirmou que a fabricação de sistemas de mísseis S-400 para a China já foi iniciada. "No momento, há um contrato operacional assinado com a China para o fornecimento de sistemas S-400. Eles estão na fase de produção", disse o funcionário da empresa.
Kladov acrescentou que "vários países manifestaram interesse" no sistema de defesa aéreo russo, enfatizando que "a capacidade de produção é limitada".
Em junho do ano passado, o diretor geral da Rostec, Sergei Shemezov, disse que os S-400 previstos para a China não seriam entregues antes de 2018, acrescentando que a primeira prioridade era armar os próprios militares russos. A China confirmou oficialmente a compra de pelo menos três lotes (seis divisões) de S-400 para suas forças de defesa aérea. Cada divisão consiste em oito lançadores, 112 mísseis, bem como os veículos de comando e apoio necessários.
Em 2015, a Índia anunciou que também gostaria de comprar vários batalhões do sistema móvel de mísseis terra-ar, juntamente com milhares de mísseis. Moscou fechou acordo de fornecimento dos sistemas com a Índia em outubro do ano passado, após reunião entre o presidente russo, Vladimir Putin, e o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, durante a cúpula do BRICS em Goa.
Em novembro, a Turquia comunicou que também estava negociando com Moscou sobre a compra de S-400, e em julho, o Vietnã se mostrou interessado em comprá-los.
O S-400 é o sistema de defesa aérea da próxima geração da Rússia, capaz de transportar quatro tipos diferentes de mísseis para destruir alvos aéreos que se encontram a distâncias de no máximo 400 km. A arma é projetada para ser capaz de detectar e destruir todos os objetos aéreos inimigos, incluindo aviões, helicópteros, mísseis de cruzeiro e mísseis balísticos voando a velocidades de até 4.800 m/s. Eles também são capazes de atingir objetivos do solo.
Projetado pelo Consórcio da defesa aérea Almaz-Antey e construído pela Empresa de construção de máquinas Fakel, o S-400 começou a ser introduzido no exército russo em 2007. Desde 2016, a Rússia recebeu 39 divisões, ou seja, 312 lançadores.
O interesse da China no S-400 começou a ser circulado pela mídia em 2011. Em 2012, fontes próximas aos Serviços Federais Russos de Cooperação Técnico-Militar, que regulam a cooperação militar-técnica com outros países, disseram que as negociações sobre a compra de uma divisão (consistindo em oito lançadores) estavam em andamento. Em 2014, esse número foi aumentado para quatro divisões. De acordo com os últimos relatórios, a China está pensando em comprar seis divisões, que custaria 3 bilhões de dólares (cerca de 9 bilhões de reais).
De acordo com especialistas, o alcance de 400 km do S-400 permitirá que Pequim controle facilmente seu próprio espaço aéreo de ataques, bem como espaço aéreo de países e territórios vizinhos, incluindo Taiwan e as Ilhas Senkaku — grupo de ilhas no mar da China Oriental controlado pelo Japão, mas também reivindicado por Pequim.
Em entrevista ao serviço russo da rádio Sputnik, o analista de segurança e especialista do Centro de Estudos Estratégicos de Moscou, Oleg Ponomarenko, explicou por que a entrega de S-400 para a China tem vários benefícios para a Rússia.
Em particular, esta é uma oportunidade, com a ajuda de um parceiro estrangeiro, de realizar a produção e financiar o desenvolvimento de sistemas de última geração", disse Ponomarenko. "Além disso, é um grande anúncio para essas armas", acrescentou.
Por isso, vejo apenas benefícios aqui. Até mesmo os norte-americanos… elogiam nossos sistemas SAM, e têm toda a razão de elogiar, pois os sistemas possuem muitas vantagens [sobre os seus concorrentes]", observou o especialista.
A China também se beneficiaria tremendamente da aquisição das armas defensivas, acrescentou Ponomarenko. "Se considerarmos, por exemplo, o ambiente [de segurança] em torno da China, esses sistemas poderiam fornecer assistência inestimável em caso de qualquer conflito, ambos com potenciais agressores estrangeiros e regionais".
Apontando para as características técnicas do S-400, o especialista apontou que o sistema pode funcionar não só com seus próprios mísseis, "mas pode interagir com outros sistemas de mísseis terra-ar, que realizam a defesa mais perto do limite interno de detecção".
Assim, Ponomarenko observou que "este sistema pode muito bem mudar o equilíbrio de forças no teatro de operações militares. Suas características técnicas, faixa de detecção e faixa de direcionamento não permitirão que aeronaves inimigas se aproximem da área de operações de combate".

Arquivo do blog segurança nacional