sábado, 13 de fevereiro de 2016

Centro de Comando Militar liga Moscou ao mundo

Não é novidade que as Forças Aéreas russas realizam tarefas militares a milhares de quilômetros das fronteiras do país. Desde 2014, porém, todas as ordens passaram a ser recebidas a partir do Centro de Controle de Defesa Nacional (CCDN), em Moscou, que responde pela coordenação das forças, planejamento de operações e alocação dos recursos necessários.
Localizado em um bairro central tradicionalmente ocupado por prédios da era soviética, o CCDN foi criado na base das antigas instalações do Comando Central do Estado-Maior da URSS, que que monitora as ameaças, lançamentos de mísseis balísticos e implantação de armas nucleares.
“É um dos maiores projetos militares russos dos últimos anos”, diz o diretor do centro e tenente-general Mikhail Mizintsev. “O análogo mais próximo é a sede do comandante durante a Segunda Guerra, que centralizava o controle da máquina militar e da economia soviética no conflito.
O complexo de edifícios à margem do rio Moscou dá, entretanto, pouca ideia do verdadeiro tamanho da estrutura, já que a maioria das instalações estão localizadas no subsolo e protegidas por uma camada espessa de concreto para resistir a uma ogiva nuclear.
Com heliportos e 1.500 km de túneis, corredores e outras linhas de comunicação que garantem a operação do centro sob quaisquer condições, o CCDN também é usado para supervisionar a produção de equipamentos militares e petróleo e monitorar as condições climáticas.
100% Made in Russia
O complexo tem vários centros de dados cuja capacidade, segundo Mizintsev, é maior do que a do Pentágono dos Estados Unidos. Por meio deles, os controlam treinamentos, as forças de dissuasão nuclear e a vida diária no Exército. 
Além disso, os computadores do CCDN, que utilizam apenas tecnologias russas, são capazes de simular situações de emergência, e os moderno sistema de comunicação permite transferir as ordens para o campo com agilidade.
Tripulantes de caça Su-30 se preparam para decolar de base russa em Hmeimim, na Síria Foto: Dmítri Vinogradov/RIA Nôvosti
SNB

Arquivo do blog segurança nacional