sábado, 12 de julho de 2014

Robô de combate com sistema Kornet

Uma das tarefas mais importantes dos robôs militares é minimizar os riscos para a vida e integridade física dos militares durante as operações de combate. A solução consiste em o veículo se deslocar em regime de autonomia ou por controle remoto, refere o editor principal da revista Arsenal Otechestva (Arsenal da Pátria) Viktor Murakhovsky:
“Em caso de haver fogo de resposta do inimigo, as vidas humanas são preservadas. Em segundo lugar, aumenta a precisão da pontaria dos mísseis antitanque. Da experiência de guerra e dos estudos psicológicos se sabe que um artilheiro sob fogo do inimigo é muito menos eficiente que em polígono de tiro. A precisão de sua pontaria é reduzida em dois a cinco vezes, conforme seu nível de qualificação”.
É evidente que, se o operador não estiver no blindado, mas afastado a controlar remotamente, ou o veículo esteja cumprindo um programa pré-estabelecido, a probabilidade de atingir o alvo será superior. Entretanto, a decisão de fazer fogo será exclusivamente humana. O operador está dentro do veículo e efetua o lançamento mantendo na tela a marca de pontaria sobre o alvo. O míssil voa em regime autônomo, o operador não precisa de o manobrar.
O principal problema na criação de sistemas robotizados consiste em proporcionar o movimento telecomandado ou automático. Esse problema ainda não foi resolvido em parte nenhuma do mundo. Os norte-americanos têm modelos experimentais, seu veículo militar efetua um percurso pré-programado contornando os obstáculos de forma autônoma. Esse veículo se destina a fornecer munições e combustíveis à linha da frente.
Aliás, os pioneiros na criação de sistemas robotizados foram os especialistas soviéticos. Já nos anos 80 se desenvolviam estudos com tanques. Um robô militar pode ser criado com base em qualquer veículo. O principal objetivo é desenvolver e aprimorar todas as tecnologias de transmissão de informação, do controle do sinal e da recepção da reação de resposta. É isso que os especialistas estão desenvolvendo neste momento.
O sistema Kornet pode combater com eficácia alvos tanto terrestres, como aéreos. Ninguém no mundo tem um equipamento desses. O míssil antitanque telecomandado, com alcance máximo de até 8 quilômetros, perfura blindagens com espessuras até 1.300 milímetros. Isso permite ao Kornet atingir tanques modernos e futuros, mesmo existindo a tendência para melhoria dos seus níveis de proteção. O tanque norte-americano M1 Abrams não é uma exceção, diz Viktor Murakhovsky:
“Vejam o exemplo do Iraque, aquilo que lá está acontecendo. Na net já há bastantes materiais que mostram o tanque M-1 ser atingido por mísseis antitanque, inclusive mísseis como o Kornet e o lançador de foguetes portátil RPG-29 Vampir”.
O Kornet tem uma capacidade de perfuração suficiente para atingir todos os tipos de veículos blindados estrangeiros. Como foi divulgado anteriormente, a Rússia já dispõe de plataformas de base robótica das categorias ligeira, média e pesada. Isso abre grandes perspectivas para o desenvolvimento de sistemas robotizados. Como se sabe, eles são desenvolvidos para quase todas as especialidades das forças armadas”.
Recentemente as forças armadas da Rússia receberam os primeiros exemplares de série do sistema Platforma-M sobre lagartas. Ele está equipado com quatro lançadores de foguetes e uma metralhadora Kalashnikov. Esse sistema pode ser usado para missões de reconhecimento, supressão de alvos fixos e móveis e para fogo de cobertura das unidades operacionais.
SEGURANÇA NACIONAL BLOG,SNB

Arquivo do blog segurança nacional