sexta-feira, 15 de novembro de 2013

CRUZEX - Combates vão além do alcance visual

Velocidades mais rápidas que a do som, altitudes superiores a 14 mil metros, mísseis de alta tecnologia com capacidade de perseguir seus alvos por dezenas de quilômetros e radares que localizam aeronaves a mais de 100 km de distância. Com essas características, os combates realizados na CRUZEX Flight 2013 acontecem sem nenhum contato visual. Isto é: os pilotos de caça combatem sem ver seus oponentes, em um cenário chamado de BVR, do inglês Beyond Visual Range (BVR), ou seja, além do alcance visual. 

O Major Cláucio de Oliveira Marques, que participa da CRUZEX a bordo de caças Mirage 2000 da Força Aérea Brasileira, diz que o combate BVR se caracteriza pela análise dos dados recebidos eletronicamente. “Você não vê o seu inimigo. Só o vê no seu radar. Então o combate BVR é um combate de análise, em que é determinante analisar aquilo que se vê no radar. Ele registra aeronaves mais longe, mais perto, mais alto, mais baixo, todas ao mesmo tempo, e você tem que decidir para que lado vai, se sobe ou se desce”, conta. 

Já o Capitão Raphael Efísio, piloto de F-5 da FAB, explica que o combate BVR é fruto do desenvolvimento tecnológico. “Há vinte anos, era preciso ver o inimigo para efetuar o disparo no alvo. Hoje, fazendo uso de mísseis com alcance cinco vezes maior e com a tecnologia de localização por radar e sistema datalink de compartilhamento de dados, é possível localizar, identificar e abater aeronaves inimigas à longas distâncias”, diz. 

Embora as manobras radicais à curta distância tenham cedido espaço ao combate BVR, a habilidade dos pilotos ainda conta. “Existe o risco de um piloto não perceber a aproximação do inimigo, ou percebê-lo somente quando o míssil dele já tiver sido lançado. Uma vez que esteja no cinemático, ou seja, dentro do alcance do míssel, uma manobra de defesa pode ser inútil”, explica o Capitão Efísio. 

Também é preciso conseguir lançar os mísseis em um momento propício. O ar rarefeito das grandes altitudes, bem como a velocidade do caça na hora do disparo, podem aumentar 
o desempenho do armamento. “Para efeito de comparação, se em um carro à 30Km/h você atira uma laranja, ela tem determinado alcance. Se o carro estiver à 100Km/h, a mesma laranja terá um alcance muito maior. Então, quanto melhor o desempenho da aeronave, mais eficiente a atuação em BVR”, diz o Major Marques. 

Por outro lado, é preciso usar com parcimônia a potência das turbinas. “Se empregamos uma velocidade superior, temos ataque e defesa mais eficazes, mas o consumo de combustível é maior e nos arriscamos a ficar menos tempo no combate”, afirma o Major Marques, que participa da CRUZEX Flight 2013 como piloto de Mirage 2000, aeronave capaz de atingir mais de duas vezes a velocidade do som. 
Disputa de xadrez - Os dois pilotos de caça são categóricos: o combate BVR é como um jogo de xadrez. É preciso conhecer cada peça, observar cada movimento e interpretar cada estratégia. “A missão é toda planejada do inicio ao fim”, afirma o Capitão Efisio. “O dia anterior à missão é exclusivo para planejamento. Estudamos com afinco as aeronaves envolvidas e as condições da operação”, concorda o Major Marques.

“Tudo exige um planejamento”, prossegue o Capitão Efisio: “Não adianta nada você investir numa manobra defensiva se o inimigo vai atrás de você e com condições de chegar. É preciso analisar a perfomace da aeronave, o míssel que ela utiliza, as táticas que a gente já viu e o que fazer para contrapor às ameaças”. 

Durante a CRUZEX Flight 2013, com a participação de países e aeronaves diferentes, o número de variáveis aumenta e o planejamento se torna um desafio para os pilotos. “É interessante participarmos com outras unidades aéreas, em especial estrangeiras, pois combatendo com quem você não conhece, utilizando táticas diferentes, performances de aeronaves diferentes, com capacidade de disparo de míssel diferentes, sempre se agrega mais aprendizado”, afirma o Capitão Efisio. “A gente sempre sai melhor do que entrou”, completa o Major Marques.
Fonte: Agência Força Aérea SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Arquivo do blog segurança nacional