quarta-feira, 25 de setembro de 2013

OPERACIONAL - FAB treina busca de aeronave desaparecida

Um caça F-5FM com dois Oficiais da FAB cai em uma área montanhosa próxima ao litoral de Santa Catarina. Como o avião tem uma camuflagem em tons esverdeados e o próprio uniforme dos pilotos também é verde, a missão vira um desafio para os tripulantes do avião SC-105 Amazonas, acionado para a busca. Mas em menos de duas horas de voo, eles avistam um paraquedas e cumprem mais uma tarefa no exercício Carranca 2, que acontece a partir da Base Aérea de Florianópolis (SC). 

Na missão de hoje, o centro de coordenação informou como área de buscas uma região com mar, montanhas, fazendas e praia. O avião SC-105 passou a voar baixo, em um turbulento voo a aproximadamente 300 metros de altitude. A todo instante, curvas fechadas para um perfil de voo que é um verdadeiro "pente fino" na área. As montanhas também eram um desafio, com subidas e descidas a cada obstáculo no terreno.No SC-105 que cumpriu essa missão, duas poltronas se destacam na parte de trás. Nelas ficam sentados os dois observadores, militares que têm a missão de tentar avistar qualquer indício do objetivo buscado. "O segredo é muito treinamento. O Esquadrão Pelicano tem uma equipe de observadores muito boa, muito bem treinados", conta o Suboficial Eliézer Alves, um dos observadores nesta missão. Eles se revezam: o SC-105 leva duas duplas que trocam de lugar a cada 30 minutos. 

Com fones de ouvido e microfone, eles conversam a todo instante com os pilotos, que precisam manter o avião em uma altitude e velocidade adequadas para o trabalho dos observadores. É preciso ainda se preocupar com o relevo, nuvens e o clima. "É uma missão que exige muito da tripulação porque o pessoal tem que estar constantemente atento e tem o compromisso de estar observando tudo o que acontece. Ou seja, a gente não tem o privilégio de deixar que o sobrevivente passe e não seja observado", lembra o Tenente Francis Guilherme Pereira, um dos pilotos do SC-105 nessa missão de treinamento.No treinamento de hoje, o Tenente Guilherme também teve uma surpresa: foi ele quem avistou primeiro o paraquedas colocado ali pela direção do exercício. "A responsabilidade de localizar é dos observadores. Os aviadores vão tentar colocá-los na melhor posição. Mas a gente pode ajudar sim", conta. "A própria aeronave nos ajuda muito na pilotagem. É uma aeronave nova, com todos os recursos disponíveis hoje na aviação. Tudo para facilitar o trabalho da tripulação", completa.

Em um voo deste tipo, o SC-105 leva até dez militares: três pilotos, dois mecânicos, um rádio-operador e quatro observadores. A aeronave conta com poltronas e até macas para descanso daqueles que estiverem nos momentos de descanso. A autonomia máxima é de 7 horas na missão de busca.
Recebidos a partir de 2009 pelo Esquadrão Pelicano, os turbohélices SC-105 Amazonas são aviões especialmente preparados para a missão de busca. Vistos de fora, se destacam pelas duas imensas bolhas de onde os observadores conseguem enxergar todo o terreno à sua frente. Também há sistemas de comunicação por satélite fundamentais para o contato com o centro de coordenação das buscas e com helicópteros envolvidos no resgate. Para missões no mar, o SC-105 também pode lançar botes e kits de sobrevivência. 

Responsabilidade sobre 22 milhões de Km²

Baseado em Campo Grande (MS), o Esquadrão Pelicano mantêm suas aeronaves de alerta 24 horas por dia, todos os dias. E, quando a sirene toca, um avião precisa estar no ar em menos de uma hora. "A gentedecola de Campo Grande sem hora, sem data pra voltar. Então depois de horas e A missão de busca visual acontece a baixa altitudehoras de busca, depois de dias e dias de busca, às vezes Carnaval, Natal, Ano Novo... A gente encontrar um sobrevivente é motivo de muita satisfação e a certeza do dever cumprido", lembra o Suboficial Eliézer, com 32 anos de serviço na FAB, sendo 13 somente no Esquadrão Pelicano.

Para missões deste tipo, a FAB também conta com aviões P-3AM do Esquadrão Orungan, de Salvador (BA); P-95 dos Esquadrões Phoenix e Netuno, de Florianópolis (SC) e Belém (PA); e SC-130 Hércules, do 1º Grupo de Transporte de Tropa, do Rio de Janeiro (RJ). No entanto, o Pelicano é a única unidade especializada nessa missão e também conta com helicópteros H-1H.

Por força de tratados internacionais, o Brasil tem a responsabilidade de realizar missões de busca e salvamento não só sobre seu território, mas também em uma ampla região do Oceano Atlântico. Somando-se tudo, a área total é superior a 22 milhões de Km², maior que a área somada de todos os países da América Latina.

 Fonte: Agência Força Aérea...SNB

Arquivo do blog segurança nacional