quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Curiosity completa um ano em Marte

Foram mais de 70 mil imagens, 190 gigabits em dados e 1,5 km percorrido no solo de Marte desde que o jipe-robô Curiosity chegou a Marte, há exatamente um ano. De acordo com a Nasa, o objetivo da missão já foi atingido: em março, ele descobriu sinais de que Marte pode ter abrigado vida no passado .
Na análise das primeiras rochas perfurada pelo jipe-robô confirmou que a superfície de Marte tem água e minerais em quantidade suficiente para a vida microbiana. Entre os elementos químicos encontrados estão nitrogênio, hidrogênio, oxigênio, fósforo, enxofre e carbono, todos os ingredientes vitais para o desenvolvimento de bactérias e outros micro-organismos. As rochas também continham argila que foi formada em um ambiente aquoso - um ambiente favorável para vida, com pH neutro e quantidades apropriadas de sais. 

Infográfico: Conheça toda a tecnologia do Curiosity
“Agora sabemos que Marte oferecia condições favoráveis para abrigar vida microbiana há bilhões de anos”, disse John Grotzinger, diretor da missão Curiosity no Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa. “Esta descoberta também aguçou nosso apetite para aprender mais. Esperamos que as instigantes camadas do Monte Sharp também preservem uma ampla diversidade de outras condições ambientais que possam ter afetado a habitabilidade [do planeta]”, completou.Em junho, o Curiosity apontou as rodas para o Sul e iniciou um trajeto de oito quilômetros até o ponto principal da missão. A viagem deve durar dez meses, pois além de andar devagar, estão previstas algumas paradas para coleta de material.
Estratégia ousada De longe, este não é o momento mais desafiador da missão do jipe-robô em Marte. O grande desafio foi justamente no pouso, quando os controladores da missão na Terra ficaram sete minutos sem contato do Curiosity em Marte. Eram os tão temidos e já esperados “sete minutos de terror” causados pelo intervalo de tempo entre a comunicação entre a Terra e Marte. Isto fez com que o Curiosity pousasse completamente sozinho, sem a ajuda do controle de missão. 
Como seriam sete minutos para o Curiosity descer do topo da atmosfera da Marte até a sua superfície, e outros 14 minutos para o sinal da nave espacial onde estava o jipe-robô chegar até a Terra, quando a primeira notícia chegou a Terra, o Curiosity já estaria no solo há sete minutos, espatifado ou completamente intacto.
Minutos após os sinais de pouso do Curiosity chegarem à Terra, o jipe-robô enviou a primeira imagem em preto e branco do interior da cratera, a foto mostrava também a sombra do jipe-robô. “Nós pousamos em um ótimo ponto plano. Lindo, realmente lindo”, disse à AP Adam Steltzner, engenheiro do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa, que liderou a equipe que desenvolveu a complicada estratégia de pouso do Curiosity.
E os marcianos? 
Há um ano, a sala de controle no Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa, em Pasadena, Califórnia, explodia em gritos e aplausos de comemoração após os “sete minutos de terror” e a confirmação que o Curiosity estava são e salvo em solo marciano .
O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, parabenizou a equipe da Nasa e brincou com seu diretor pedindo que, caso contatem marcianos, avisem-no "imediatamente". 
Por causa de seu tamanho e peso (900 quilos), o Curiosity não podia pousar como Spirit e o Opportunity, antecessores do Curiosity em Marte. Os dois se valeram da valeram da fricção com atmosfera marciana e air bags para descerem a salvo. Depois de muitos anos de trabalho, o Spirit atolou e foi aposentado. Já o Opportunity está no planeta vermelho há nove anos.
A previsão é que a missão do Curiosity dure mais um ano, mas não é descartada a hipótese de que ela se estenda por mais tempo, como é o caso Opportunity que tinha a missão original de apenas três anos.
“O sucesso do Curiosity, o pouso dramático há um ano e as descobertas científicas desde então, nos antecipa para futuras explorações espaciais, inclusive mandar humanos para asteroides e Marte”, disse o administrador da Nasa, Charles Bolden.
Bom de mídia Desde que aterrissou próximo ao equador de Marte no ano passado, o jipe-robô descobriu um antigo riacho e descobriu minerais semelhantes aos de vulcão havaiano e, principalmente, revelou provas de que Marte já foi um ambiente habitável no passado.
Ao custo de US$ 2,5 bilhões (R$ 5 bilhões), a missão do Curiosity também investe no poder midiático da Nasa. O jipe-robô transmitiu de Marte música inédita do rapper will.i.am, do Black Eyed Peas , acordou ao som de Beatles e The Doors , divulgou ovídeo de seu pouso e deu “ check-in” no foorsquare .
Talvez o fato de esta ser a missão mais cara e sofisticada que a agência espacial americana já mandou a Marte justifique estas brincadeiras para engajar o público. Afinal, Marte é um planeta com um histórico hostil para missões espaciais: mais da metade das tentativas de chegar a Marte foram fracassadas. Quando uma delas dá certo, é necessário comemorar. 

(
Com informações da AP)
SNB

Arquivo do blog segurança nacional