quinta-feira, 4 de julho de 2013

Piaggio Aero desenvolve novo conceito de UAS

Por Ivan Plavetz

A empresa italiana Piaggio Aero está desenvolvendo um novo conceito de Sistema Aéreo Não Tripulado (UAS) baseado no turboélice corporativo P.180 Avanti II.Trata-se do P.1HH HammerHead, classificado internacionalmente na categoria MALE (Medium Altitude Long Endurance - voos de longa duração a médias altitudes). Sua aplicação abrangerá missões de inteligência, vigilância e reconhecimento (ISR) tanto na área militar quanto na de segurança.
Com dois motores turboélice Pratt & Whitney PT6A-66B montados na configuração pusher que acionam hélices de cinco pás de passo variável, o P.1HH terá asas de 14,4 metros de envergadura, fuselagem de 15,5 metros de comprimento e altura total de 4 metros. A aeronave será capaz de alcançar uma velocidade máxima de Mach 0,7.
Um programa de demonstração e validação de conceitos concebidos para o P.1HH foi iniciado no inicio do corrente ano pela Força Aérea da Itália. Em meados de junho último foram realizadas as primeiras provas do sistema de gerenciamento e controle do veículo (VCMS), que consistiram na verificação das capacidades de gerenciamento e controle de voo do P.1HH a partir de uma estação terrestre (GCS). A arquitetura do VCMS está sendo baseada em sistemas embarcados computadorizados triplicados que proporcionarão um controle de voo seguro e livre de falhas, inclusive por efeito de interferências que possam afetar o funcionamento das interfaces de comando das unidades servo-remotas de bordo. O VCMS recebe comandos da GCS via datalink .
O sistema de gerenciamento de missão do P.1HH HammerHead está sendo desenvolvido com base na inovadora tecnologia ES skyISTAR, da Selex, permitindo elevada efetividade e flexibilidade em diferentes cenários operacionais. Seguindo o conceito CONOPS (CONcept of OPeration), essa nova tecnologia define um novo padrão de suíte de missão mediante sua modularidade e capacidade de integração e combinação de múltiplos sensores e subsistemas.
As operações de decolagem e aterrissagem automáticas do P.1HH serão gerenciadas por sistemas de bordo dedicados, redundantes, apoiados por sensores externos, solução que garantirá um elevado nível de segurança durante esses procedimentos. Por outro lado, o P.1HH está sendo concebido para atender às normas STANAG USAR 4671 viabilizando, assim, a realização de voos em áreas restritas.
SNB

Arquivo do blog segurança nacional