sábado, 20 de julho de 2013

O risco chinês, segundo o FMI

 Estado de S.Paulo
A mudança na economia chinesa, a segunda maior do mundo, com US$ 9,02 trilhões de Produto Interno Bruto (PIB) estimados para este ano, é motivo de atenção e até de preocupação em toda parte, especialmente porque uma das novidades deve ser um crescimento abaixo da média dos últimos 15 anos. Mas a questão mais inquietante para um pequeno grupo de observadores é de outra natureza: conseguirá o governo chinês realizar a tempo as reformas necessárias para uma transição segura? Essa é a grande pergunta formulada pelos técnicos do Fundo Monetário Internacional (FMI), na conclusão da consulta anual com as autoridades de Pequim. As inovações necessárias, para esses analistas, vão muito além da mudança de ênfase do investimento para o consumo e da exportação para a valorização maior do mercado interno. "O atual padrão de crescimento é insustentável e está criando vulnerabilidades", segundo o relatório divulgado na quarta-feira passada.
A maior parte dos governos e analistas tem concentrado a atenção em questões de aparência bem menos complexa. Para as economias industriais mais competitivas, uma China mais empenhada no consumo pode representar mais oportunidades comerciais, apesar da expansão econômica menor. A mudança, portanto, acabará sendo positiva para as indústrias da Europa e dos Estados Unidos, por exemplo, mas empresas de muitos outros países poderão beneficiar-se. Para países menos eficientes e mais dependentes da exportação de commodities, como o Brasil, a alteração do modelo chinês pode ser mau prenúncio. A economia chinesa continuará demandando enorme volume de produtos básicos, mas um crescimento menor poderá afetar as condições de mercado.
É cedo para dizer como ficará o quadro depois do avanço das mudanças. Por enquanto, as exportações brasileiras para a China vão bem, mas seria bom incluir o assunto na agenda prioritária de Brasília - se ainda houver espaço nessa pauta sobrecarregada de temas eleitorais.
As preocupações indicadas pelo pessoal do FMI vão muito além das consequências comerciais de uma grande mudança no estilo chinês de crescimento. A alteração já começou, provocada em parte pela crise internacional e em parte por medidas de política interna. A economia perdeu ritmo no segundo trimestre e produziu nesse período 7,5% mais do que um ano antes, mas deve ganhar impulso, novamente, e fechar o ano com expansão acumulada de 7,75%, segundo o FMI. Uma taxa parecida está projetada para 2014. Não deve haver tombo repentino, mas é preciso garantir condições de segurança.
O governo chinês já anunciou reformas para levar a economia a um novo padrão de equilíbrio, mas a prioridade, agora, deveria ser a rápida execução de medidas para a eliminação de riscos, aconselham os técnicos e dirigentes do FMI. Eles chamam a atenção especialmente para o rápido aumento de financiamentos "não tradicionais", isto é, canalizados por instituições financeiras menos controladas do que os bancos.
Qualquer deterioração da qualidade dos créditos porá em risco todo o sistema. Além disso, a expansão desses financiamentos foi acompanhada de um endividamento maior dos governos locais. O pessoal do FMI recalculou o débito público geral de 2012, incluindo nas contas as fontes não tradicionais e os fundos extraorçamentários.
O resultado foi uma dívida equivalente a 45% do PIB, cerca do dobro do número habitualmente divulgado. O déficit do governo geral, por esse critério, equivaleria a 10% do PIB, cinco vezes o número estimado pelo padrão convencional.
Com inflação baixa, produção robusta e contas externas amplamente superavitárias, o governo chinês tem condições excepcionalmente favoráveis para os ajustes fiscais e financeiros necessários. Se deixar passar a oportunidade, o custo poderá ser enorme para o país e - é bom lembrar - para seus parceiros. O relatório do Fundo mostra um cenário chinês muito mais preocupante do que parecia imaginar, até agora, a maior parte dos observadores.
SNB

Arquivo do blog segurança nacional