quarta-feira, 24 de julho de 2013

Ministro da Ciência diz que faltam verbas para grandes projetos

SABINE RIGHETTI
ENVIADA ESPECIAL AO RECIFE

A novela sobre a participação brasileira nos maiores centros de pesquisa em astronomia e física do mundo --o ESO (Observatório Europeu do Sul) e o Cern (Centro Europeu para Pesquisa Nuclear)-- ainda está longe de um final feliz.
Segundo o ministro Marco Antonio Raupp (Ciência), o governo quer tocar as iniciativas, mas faltam recursos.
"Não posso tirar dinheiro dos outros projetos para colocar no ESO e no Cern", disse à Folha durante a reunião anual da SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência), em Recife.
A entrada do Brasil no ESO está em tramitação no Congresso há mais de um ano.
"Quando se aprova um acordo de cooperação internacional, é preciso dar uma sustentação orçamentária. Senão é colocar uma batata quente no nosso colo", diz.
Para usar as instalações do ESO --incluindo o maior e mais avançado telescópio terrestre do mundo, em construção em solo chileno,-- o Brasil teria de desembolsar, segundo o ministro, cerca de R$ 1 bilhão ao longo de dez anos.
Hoje, o orçamento anual da pasta é de R$ 3,8 bilhões, sendo que R$ 1,4 bilhão é para bolsas de pesquisa.
Se o projeto de entrada do Brasil no ESO for aprovado no Congresso, um recurso extraorçamentário deve ser repassado ao ministério.
Conforme a Folha apurou, no entanto, a tendência do governo é enxugar o que for extraorçamentário.
Anteontem, a presidente Dilma Rousseff anunciou um corte de R$ 10 bilhões e há a previsão de outros.
"As atividades no ESO contribuem para o desenvolvimento científico em todas as áreas", diz Adriana Válio, presidente da SAB (Sociedade Astronômica Brasileira).
Ela pretende ir ao Congresso com um grupo de cientistas para falar com deputados sobre a importância do projeto para a ciência nacional.
O acordo, no entanto, não é unanimidade entre a comunidade científica brasileira.
"O Brasil vai subsidiar a ciência europeia com o dinheiro do contribuinte. O ministério que assina esse tipo de acordo é irresponsável", diz João Steiner, professor do IAG (departamento de astronomia) da USP.
FOLHA...SNB

Arquivo do blog segurança nacional