quarta-feira, 17 de julho de 2013

Gastar R$ 100 mi em ciberdefesa significa comprar tecnologia de fora, diz Amorim

ISABEL FLECK
DE SÃO PAULO

O ministro da Defesa, Celso Amorim, sugeriu que os gastos, até agora, de menos de 10% do orçamento de R$ 90 milhões reservado para a defesa cibernética se justificam, em parte, pela dificuldade em fazer avançar rapidamente o desenvolvimento de tecnologias nacionais na área.
Segundo o ministro, hoje "muitas poucas áreas das redes do país têm tecnologia nacional".
"Se você for gastar 100 milhões [de reais] agora, você vai comprar tecnologia estrangeira. Então tem que ir trabalhando aos poucos nessa área", disse Amorim, durante palestra na noite de terça-feira na Universidade Federal do ABC em São Bernardo do Campo.
O ministro lembrou que garantir a defesa cibernética no país é um "processo" e defendeu "investimentos fortes e pesados" para desenvolver, primeiro, tecnologia de defesa brasileira.
"Nós nunca poderemos defender tudo, obviamente. Nem os EUA conseguem. Mas temos que estar capacitados a defender as nossas estruturas críticas, os nossos interesses principais e isso exige, sim, investimentos fortes e pesados na área de ciência e tecnologia", disse.
Amorim afirmou que o Brasil tem que trabalhar com outros países da América do Sul na área de defesa -inclusive a cibernética, sugerindo que os países da região unam esforços para proteger seus sistemas.
"Temos que pegar essa inteligência, juntar e avançar na área de tecnologia", disse.
DIREITOS HUMANOS
Amorim, que foi convidado para falar na conferência "2003-2013: Uma nova política externa" sobre os oito anos em que esteve à frente do Itamaraty no governo Lula, defendeu as relações do Brasil com países que têm sua política de direitos humanos questionada, como o Irã.
"Nas relações internacionais, se só formos ter relações com os países que consideramos que têm um comportamento perfeito em matéria de direitos humanos, provavelmente não vamos nos relacionar com ninguém", disse o ministro, sendo aplaudido pelo público --formado, em sua grande maioria, por universitários.
Amorim citou a recente criação da Aliança do Pacífico -formada por Chile, Colômbia, México, Peru e Costa Rica-, que ameaça rivalizar com o Mercosul no continente, e criticou a escolha do nome do bloco.
"Menos agradável, a meu ver, não é a realidade, mas o nome 'Aliança do Pacífico', que dá a ideia de que você está dividindo [a região]. Ao mesmo tempo, a palavra 'aliança' dá a ideia de que você é contra alguma coisa, que precisa se defender de alguma coisa", disse.
O ministro falou ainda sobre a atuação do Brasil em temas controversos durante o início do mandato de Lula: a discussão para a formação da Alca, a crise política na Venezuela após a tentativa de golpe contra Chávez, em 2002, e o início da guerra no Iraque. Os três temas são a base de seu novo livro "Breves Narrativas Diplomáticas", lançado no último mês.
FOLHA...SNB

Arquivo do blog segurança nacional