segunda-feira, 29 de julho de 2013

Computador busca sobrevida diante da ameaça dos tablets

SEATTLE - A morte do computador pessoal pode ser um exagero. Mas a indústria de computadores pessoais parece estar no limbo. O PC irá quase certamente enganar a morte por algum tempo, e uma das alternativas são os novos lançamentos que começam a chegar ao mercado.
É verdade que os dispositivos móveis como o iPad continuam ganhando espaço, mas os dispositivos portáteis provavelmente nunca irão satisfazer mestres de planilhas, editores de filmes e outros trabalhadores que dependem múltiplas telas e da precisão de um teclado e do mouse.
Ainda assim, há uma forte opinião entre muitos executivos do setor de tecnologia de que o PC irá perder relevância progressivamente.

"Na minha humilde opinião, o PC como o conhecemos está em um declínio contínuo e sendo relegado a um dispositivo de utilidade para as empresas ", disse Hector Ruiz, ex-executivo-chefe da Advanced Micro Devices, empresa que produz chips para PCs e outros dispositivos.

Futuro incerto. O clima em torno da indústria do PC tornou-se cada vez mais sombrio. O negócio está efetivamente em recessão, e não há recuperação à vista. Durante o segundo trimestre do ano, as vendas mundiais de computadores caíram cerca de 11%, no quinto trimestre consecutivo de declínio, a pior crise desde o advento do PC há mais de 30 anos.
A Intel, fornecedora dos chips da maioria dos PCs, e a Microsoft, que faz o Windows, sistema operacional da grande maioria dessas máquinas, entregaram resultados financeiros decepcionantes.

A grande revisão de software da Microsoft, o Windows 8, não aumentou as vendas e pode provocar efeito contrário ao esperado.

A outrora poderosa Dell, profundamente enfraquecida pela crise PC, está atolada em uma luta com acionistas em torno de um plano para alívio da pressão dos investidores.

Michael S. Dell, fundador da empresa, e a empresa de investimento Silver Lake, têm argumentado que eles iriam transformar a Dell em prestadora de serviços de software corporativo. A votação sobre o futuro da empresa é esperado para esta semana.

Concorrência. Enquanto as vendas de PCs para as empresas permanecerem estáveis, a demanda entre os consumidores caiu, em grande parte porque as pessoas estão preferindo gastar dinheiro em iPads, Kindle e outros tablets e celulares inteligentes.

Ainda assim, mais de 300 milhões de PCs devem ser vendidos no munto este ano. As vendas de tablets, enquanto isso, crescem explosivamente. Este ano, serão cerca de 200 milhões de unidades, número que pela primeira vez vai exceder o número de notebooks, a maior categoria de PCs, segundo pesquisa da Gartner.

Steve Jobs, o executivo-chefe da Apple, que morreu em 2011, previu alguns anos atrás que os PCs se tornariam algo como caminhões, usados por muitas empresas, mas em desvantagem em relação aos tablets, preferidos pelo grande público.

Uma teoria é a de que os consumidores estão postergando cada vez mais a compra de novos Pcs. "Ciclos de reposição estão sendo empurrados para a frente", disse Toni Sacconaghi, analista da Bernstein Research.

A visão mais pessimista é que uma grande parte da demanda dos consumidores por PCs nunca vai voltar. Daniel Huttenlocher, reitor da Universidade de Cornell, diz que os consumidores começaram a comprar PCs em grande número na década de 1990, porque não existia melhor dispositivo para entrar no Internet.

Mas o PC, disse ele, era sempre mais adequado como uma máquina de escritório para a produção de documentos, apresentações e outros trabalhos. Na sua opinião, tablets são melhores para o consumo de
conteúdo, ver filmes no Netflix ou navegar na Web.

No primeiro trimestre, 53% das vendas de computadores foram para o mercado consumidor enquanto 47% foram para o mercado comercial, estima a empresa de pesquisa IDC.

Muitos consumidores ainda vão preferir um PC para tarefas como edição de vídeos caseiros e escrever documentos. Mas tablets já estão invadindo o reinado dos PCs em muitos nichos profissionais, desde manuais de voo para pilotos até caixas registadoras em restaurantes.

Perdas. As grandes empresas da indústria de PC - especialmente a Microsoft e Intel - vão perder com o declínio do negócio. E a resposta para essas companhias é simples: redefinir o PC para torná-lo mais leve e portátil.

A Microsoft projetou o Windows 8 para funcionar bem em dispositivos touch-screen. Se o usuário preferir, ele pode optar pela interface clássica do desktop com mouse e teclado.

A Intel, por sua vez, aperfeiçoou seus chips para que eles sejam mais parcimoniosos no consumo de energia, requisito importante para dispositivos móveis.

As mudanças deram origem a um frenesi de cruzamentos em dispositivos, aproximando as fronteiras entre PCs e tablets. Agora, há notebooks que se transformam em tablets. Muitos notebooks vêm com telas sensíveis ao toque para saltar rapidamente entre diferentes modos de operação.

Microsoft e Intel estão apostando que os dispositivos que saem nos próximos meses vão finalmente começar a trazer os compradores de Pcs de volta às lojas.

A Microsoft planeja lançar uma nova versão de seu sistema operacional, o Windows 8.1, que responde às reclamações dos clientes em relação à versão anterior.

"Veremos nos próximos meses muito mais projetos dos fabricante de PC", disse Adam King, diretor de marketing de produto da Intel.
The New York Times...SNB

Arquivo do blog segurança nacional