terça-feira, 11 de junho de 2013

Os EUA estão perdendo sua influência na América Latina?

SHLOMO BEN-AMI - PROJECT SYNDICATE - O Estado de S.Paulo
Este mantra vem sendo ouvido com crescente frequência por todo o mundo: o poder americano está em declínio. E em nenhum lugar isso parece mais verdadeiro do que na América Latina. A região já não é vista como "quintal" dos Estados Unidos; ao contrário, o continente possivelmente nunca esteve tão unido e independente. Mas essa visão não consegue captar a verdadeira natureza da influência americana.
É fato que o interesse do país pela América Latina arrefeceu. George W. Bush estava centrado em sua "guerra global ao terror". Barack Obama até agora também pareceu dar pouca atenção à região.
Aliás, na Cúpula das Américas em Cartagena, em abril de 2012, líderes latino-americanos sentiram-se suficientemente confiantes e unidos para questionar prioridades americanas. Eles conclamaram os EUA a levantar o embargo a Cuba e a fazer mais para combater o uso de drogas no país, por meio de educação e trabalho social, em vez de fornecer armas para combater barões da droga na América Latina.
É verdade também que países latino-americanos empreenderam uma grande expansão de laços econômicos fora da influência dos EUA. Hoje, a China é a segunda maior parceira comercial da América Latina e está reduzindo rapidamente a distância dos EUA. A Índia está mostrando um forte interesse no setor de energia da região, e assinou acordos de exportação no setor de defesa. O Irã fortaleceu seus laços econômicos e militares com a Venezuela.
Em 2008, o então presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, identificou a guerra ao terror como uma oportunidade para criar parcerias estratégicas com potências em ascensão como o Brasil e a Aliança Bolivariana para as Américas (Alba), um bloco de inspiração venezuelana contrário aos desígnios americanos na região. A gigante de energia Gazprom e as indústrias militares foram pontas de lança do Kremlin para demonstrar capacidade de influenciar a vizinhança dos EUA - uma resposta direta à percebida intromissão americana no "exterior próximo" da própria Rússia, particularmente Geórgia e Ucrânia.
Mas seria um erro entender a ampliação das relações internacionais da América Latina como um sinal do fim da preeminência americana.
A influência americana já não pode ser definida por sua capacidade de instalar e depor líderes a partir de uma embaixada. Não acreditar nisso é ignorar o quanto a política internacional mudou no último quarto de século.
Um continente que no passado foi afligido por golpes militares adotou, lenta, mas consistentemente, democracias estáveis. Gestão econômica, programas de redução da pobreza, reformas e abertura ao investimento estrangeiro ajudaram a produzir anos de crescimento com inflação baixa.
Os EUA não só encorajaram essas mudanças, como se beneficiaram delas. Mais de 40% das exportações do país vão hoje para o México e as Américas Central e do Sul. O México é o segundo maior mercado estrangeiro dos americanos (num valor aproximado de US$ 215 bilhões em 2012). As exportações americanas para a América Central cresceram 94% nos seis últimos anos; as importações aumentaram 87%. E os EUA ainda são o maior investidor estrangeiro no continente. Os interesses do país estão bem servidos por ter vizinhos democráticos, estáveis e cada vez mais prósperos.
Essa nova realidade requer um tipo diferente de diplomacia - uma que reconheça os diversos interesses do continente. Por exemplo, uma potência emergente como o Brasil quer mais respeito no cenário mundial.
Obama errou quando desprezou um acordo sobre o programa nuclear do Irã em 2010 mediado por Brasil e Turquia. Outros países poderiam se beneficiar de esforços para promover a democracia e laços socioeconômicos, como mostram as viagens de Obama ao México e à Costa Rica.
As relações comerciais oferecem outra alavanca. O presidente do Chile, Sebastián Piñera, visitou a Casa Branca para discutir, entre outras coisas, a Parceria Trans-Pacífico, um ambicioso acordo comercial que poderia abarcar Nova Zelândia, Cingapura, Austrália, México, Canadá e Japão.
Ollanta Humala, do Peru, deve ir à Casa Branca na nesta semana, enquanto o vice-presidente Joe Biden visitou vários países da América Latina recentemente.
Língua e cultura pesam, também. Dado o extraordinário crescimento da influência dos latinos nos Estados Unidos, é quase inconcebível que o país possa perder seu status único na região.
Hoje, uma potência mundial precisa combinar vigor econômico e cultura popular com alcance global. Os EUA estão mais bem posicionados do qualquer outra potência nesse sentido, particularmente quando se trata de relações com a sua vizinhança imediata. / TRADUÇÃO DE CELSO PACIORNIK
* É EX-CHANCELER DE ISRAEL 
SNB

Arquivo do blog segurança nacional