segunda-feira, 24 de junho de 2013

O mercado nacional de Veículos Aéreos não Tripulados (VANTs) acaba de ganhar seu primeiro avião-robô com decolagem e aterrissagem automáticas.

O mercado nacional de Veículos Aéreos não Tripulados (VANTs) acaba de ganhar seu primeiro avião-robô com decolagem e aterrissagem automáticas. Para se ter uma ideia do significado desta inovação, basta a constatação de que grande parte dos defeitos dos VANTs produzidos no Brasil é decorrente das falhas ocorridas durante o processo manual de pouso e decolagem. Com outros diferenciais dignos de desbancar seus concorrentes internacionais, o VANT Echar, desenvolvido e produzido pela XMobots, empresa com sede em São Carlos (230 Km de São Paulo), será apresentado nesta semana na feira em São Paulo.Em um setor que cresce e se aprimora a cada ano, o lançamento do Echar vem ao encontro de uma demanda do mercado por aviões capazes de mapear e realizar a vigilância de áreas médias (até 3 mil hectares) com alto nível de confiabilidade e segurança. Segundo o diretor da XMobots, o engenheiro mecatrônico Giovani Amianti, para obter a qualidade máxima e fazer do Echar um VANT pouco propenso a falhas, a empresa investiu pesado na utilização de componentes aeronáuticos e outras tecnologias ainda não usadas nos aviões-robôs nacionais.
“O mercado passou a entender que VANT não é um aeromodelo, não é um brinquedo. O Echar é um equipamento inovador em vários sentidos, a começar por ser o primeiro veículo aéreo não tripulado com tecnologia nacional totalmente automático da decolagem à aterrissagem, com preço competitivo se comparado aos concorrentes internacionais e alta confiabilidade em relação ao mercado interno”, revela o diretor da XMobots.
Preço

Ao classificar o Echar como competitivo em relação aos concorrentes internacionais, Amianti explica que o valor de tabela do VANT é de R$ 148 mil, ou seja, cerca de R$ 100 mil mais barato quando comparado aos aviões-robôs com características equivalentes desenvolvidos por empresas europeias, israelenses e norte-americanas.
Em relação a outros diferenciais tecnológicos, o engenheiro conta que a tecnologia embarcada compreende desde câmera frontal de transmissão digital em tempo real – que permite uma maior consciência situacional do voo – até um sistema criptografado de transmissão de dados que confere maior segurança ao comando e controle da aeronave. “Os VANTs atuais desenvolvidos no Brasil usam vídeo analógico, o que não permite um bom alcance de comunicação superior a poucos quilômetros”, explica o diretor da XMobots, acrescentando que a capacidade de comunicação do Echar é de 10 quilômetros com terminal de comunicação de solo GDT-S5A, podendo chegar a 30 quilômetros se o cliente desejar um upgrade com o terminal de comunicação GDT-S20A.
A XMobots leva à Mundo Geo Connect a versão de mapeamento do Echar, cujas aplicações englobam fiscalização ambiental (para monitoração de desmatamento, garimpo ilegal, extração irregular de madeira, invasão de áreas ambientais protegidas, entre outros), agricultura de precisão (detecção de falhas e pragas em lavouras, exposição de solo, previsão de produção agrícola), além de levantamento topográfico e desempenho de funções como contagem de gado.
“Nossa expectativa é a melhor possível, principalmente porque o Echar surgiu de uma demanda do mercado. Em abril lançamos na LAAD [Feria Internacional de Defesa e Segurança] seu modelo vigilância, que trouxe como inovação a primeira câmera estabilizada nacional, e estamos muito satisfeitos com os primeiros resultados”, destaca Giovani Amianti.
ANAC
Após dedicar parte de sua expertise ao desenvolvimento do Echar, o próximo passo da XMobots será dar início ao processo de emissão do Certificado de Autorização de Voo Experimental (CAVE) na Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), de forma a atender todas as exigências da ANAC, da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA) para voos de VANT na atualidade
SNB

Arquivo do blog segurança nacional