terça-feira, 14 de maio de 2013

Enigma de Tunguska pode ser explicado em breve

Boris Pavlischev
VOZ D RU

O evento de Tunguska pode ser explicado em breve. Andrei Zlobin, colaborador do Museu Geológico Vernadsky de Moscou, divulgou no site de publicações científicas preliminares (arXiv.org) fotografias de pedras com lados derretidos e de alegados restos de corpo celeste.

Em seu artigo, o geólogo conclui que os fragmentos encontrados confirmam o fato da queda de um cometa na região de Tunguska em 1908. Muitos peritos, sem contestar esta teoria, consideram contudo prematuro tirar conclusões, partindo destes “artefatos”.
Em seu artigo, Andrei Zlobin afirma que a temperatura no terreno não subiu muito em resultado da explosão atmosférica, fazendo tal conclusão ao analisar anéis do cerne de velhas árvores. Por conseguinte, pedras não podiam derreter-se em terra. Contudo, o autor do artigo diz ter colhido ainda em 1988 no local da explosão mais de cem fragmentos do suposto corpo espacial, alguns dos quais são derretidos. Provavelmente, estes fragmentos tivessem incandescido durante a ignição do corpo na atmosfera. Este corpo foi um cometa de gelo e não um meteorito, fato com que se pode explicar o número tão pequeno de destroços.
Uma grande explosão no céu aconteceu em junho de 1908 em uma região da Sibéria próxima ao rio Podkamennaya Tunguska. Cientistas descobriram árvores caídas numa superfície em forma de círculo de 50 quilômetros de diâmetro. A explosão não formou uma cratera e não foi possível encontrar fragmentos de meteorito. Mais tarde, pesquisadores encontraram algo parecido com um fragmento transparente de vidro, que não foi estudado e se perdeu. A ciência desconhece outros fragmentos do corpo celeste.
Agora, de repente, um cientista declara sobre a existência de centenas de fragmentos. Pedras fundidas podiam de fato chegar do espaço, mas tal não significa sua ligação ao evento de Tunguska, afirma o chefe da seção de física de sistemas estelares do Instituto de Astronomia da Academia de Ciências da Rússia, Oleg Malkov:
“Para mim é estranho ouvir que de repente apareceu centena de fragmentos após as expedições realizadas nos anos 20 do século passado, que não descobriram nada. Se estes fragmentos pertencem de fato ao meteorito de Tunguska, devem ser apresentadas provas mais sérias. Podemos admitir que este foi um fragmento do núcleo de um cometa. É nomeadamente neste caso que nada devia ser encontrado. Mas o fato de ter sido descoberto algo testemunha, pelos vistos, que não se trata de um cometa, mas de algo mais denso, como pedra ou metal”.
A queda da bólide provocou incêndios na taiga, o que pode testemunhar que as temperaturas foram altas na região da explosão, diz o chefe da seção de física e de evolução de estrelas do Instituto de Astronomia da Academia de Ciências da Rússia, Dmitri Vibe:
“Olhando simplesmente para as pedras, é impossível tirar conclusões sobre sua natureza e origem. Não são publicados ainda quaisquer resultados de sua análise. Desconhecemos suas propriedades, sua composição química e isotópica. Primeiro é necessário analisá-las e só depois fazer conclusões sobre a natureza do corpo de Tunguska e se estas pedras tenham qualquer ligação a este evento ou sejam fragmentos de um outro meteorito”.
Pergunte-se também por que razão Andrei Zlobin guardou silêncio tantos anos e só agora começou a falar e decidiu publicar um artigo, sem fazer uma análise de seus “artefatos”? Na opinião do diretor do Observatório de Zvenigorod, Serguei Barabanov, Zlobin está interessado em fazer publicidade em torno de sua personalidade. É muito provável que o evento de Tunguska fosse provocado pela queda de uma parte de um cometa de diâmetro não superior a cem metros. Mesmo se a bola de gelo tivesse fragmentos sólidos, eles deveriam evaporizar-se.
Este verão mais uma expedição parte para a região de Tunguska. É possível que ela se aproxime da resposta à pergunta sobre os acontecimentos que tiveram lugar na taiga há mais de cem anos
SNB

Arquivo do blog segurança nacional