terça-feira, 9 de abril de 2013

Embraer eleva negócios com Super Tucano

Virgínia Silveira
Para o Valor, de São José dos Campos

A Embraer vendeu mais nove turboélices de ataque leve Super Tucano para dois países, um da América Central e outro da África. Segundo o Valor apurou, um desses países é a Guatemala, mas a empresa informou que só revelaria o nome dos novos clientes do Super Tucano hoje, durante a Laad, feira internacional de defesa e segurança, que acontece no Rio de Janeiro.
A fabricante brasileira também negocia a venda de Super Tucano para vários países da África e o Senegal é um dos clientes onde a negociação estaria mais avançada, segundo o Valor apurou.
O presidente da Embraer Defesa e Segurança, Luiz Carlos Aguiar, disse que a novidade de um dos novos contratos do Super Tucano é que, pela primeira vez, a Embraer estará exportando, junto com a aeronave, um software inteligente, do sistema de apoio a decisão do centro de comando e controle de informações estratégicas daquele país. Esse sistema inteligente será desenvolvido pela Atech, empresa do grupo Embraer.
A Embraer já vendeu um sistema similar para o México, mas estava relacionado à venda de cinco aeronaves de vigilância. "A principal diferença é que no México a Embraer precisou subcontratar várias empresas estrangeiras para o desenvolvimento do software e agora apenas a Atech será responsável por todo o trabalho", explica o executivo.
O contrato com a Guatemala já vinha sendo negociado há mais de dois anos, mas ainda aguardava ser aprovado pelo Congresso da República Guatemalteca. Da mesma forma, o sistema de financiamento da compra também estava sendo analisado pelo Ministério de Finanças Públicas do país.
As novas vendas do Super Tucano, segundo Aguiar, já são um reflexo da vitória da empresa na concorrência da Força Aérea dos EUA (da sigla em inglês Usaf), que abriu portas para o produto brasileiro. Tanto que a Embraer acaba de refazer as estimativas das vendas potenciais do avião, de US$ 3,5 bilhões para US$ 4,1 bilhões até 2025. Este número, de acordo com Aguiar, representa 344 unidades, ante as 300 anteriormente previstas.
"A vitória no processo chamou a atenção do mundo para o nosso produto. O nível de interesse aumentou em vários países e acreditamos que a tendência é de ampliarmos as vendas cada vez mais", disse o executivo.

O fornecimento de 20 Super Tucano para os EUA foi anunciado em janeiro. O contrato, a primeira venda de um produto militar da empresa para o governo americano, tem valor inicial de US$ 427,5 milhões, mas poderá alcançar a cifra de US$ 1 bilhão, com a encomenda de mais 30 aeronaves.
O Super Tucano acumula até o momento um número superior a 210 encomendas, das quais mais de 170 já foram entregues. Além dos dois novos clientes que serão anunciados hoje, a aeronave já foi vendida para cinco países da América Latina (Brasil, Colômbia, Equador, Chile, e República Dominicana), três da África (Burkina Faso, Mauritânia e Angola), Indonésia e EUA.
A Embraer também vai mostrar na Laad todos os indicadores de performance do cargueiro KC-390 e as novas estimativas de vendas da aeronave, que já começou as campanhas de venda pelo mundo, com a conclusão do desenvolvimento da configuração do avião. A empresa também já deu início à produção dos dois primeiros protótipos. A primeira venda será anunciada no primeiro trimestre de 2014.
Aguiar afirmou ainda que a Embraer fez uma atualização do mercado potencial do KC-390, tendo em vista que mais aviões dessa categoria estão sendo aposentados e precisam ser substituídos. A última estimativa da empresa revelou que o KC-390 teria potencial para disputar um mercado de 700 aeronaves, num prazo de 10 anos, o que representa um volume de negócios da ordem de US$ 13 bilhões.
SNB

Arquivo do blog segurança nacional