domingo, 28 de abril de 2013

Cientistas buscam limite da vida em alta profundidade


HERTON ESCOBAR - O Estado de S.Paulo
Um seleto grupo de cientistas brasileiros e japoneses está embarcado em alto-mar neste momento com a missão de mergulhar nas regiões mais frias, remotas e inexploradas do universo oceânico nacional. Milhares de metros abaixo da superfície, espremidos dentro de um pequeno submarino de pesquisa, eles serão os primeiros seres humanos a contemplar a vida nas profundezas extremas deste lado do Atlântico Sul.
O que vão encontrar lá, de fato, não há como prever. O que eles esperam descobrir são ecossistemas chamados quimiossintéticos, onde a fonte primária de energia para sustentação da vida não é a fotossíntese, como realizada pelas plantas na superfície, mas a conversão de elementos químicos que exsudam de fendas no assoalho oceânico, realizada por microrganismos especialmente adaptados a condições extremas de temperatura e pressão.
A expedição faz parte de um grande projeto da Agência Japonesa de Ciência e Tecnologia da Terra e do Mar (Jamstec), chamado Busca pelos Limites da Vida, que vai passar um ano prospectando ambientes ultraprofundos ao redor do mundo.
"O plano é visitar ambientes extremos de águas profundas e observar a estratégia adaptativa de diferentes organismos. Com base nisso, queremos entender como a vida na Terra evolui e se diversifica, além de procurar por enzimas e outros compostos orgânicos que possam ser de interesse para os seres humanos", disse ao Estado o cientista chefe do projeto, Hiroshi Kitazato, em entrevista por e-mail do navio Yokosuka.
O navio saiu da África do Sul no início do mês, cruzou o Oceano Atlântico e agora está sobre a região da Dorsal de São Paulo, um precipício submerso que começa a 2,5 mil metros e vai até 4,2 mil metros de profundidade, no limite extremo da plataforma continental brasileira, a cerca de 700 km da costa.
Seis pesquisadores brasileiros estão a bordo, entre eles quatro biólogos, das Universidades de São Paulo (USP), Federal Fluminense (UFF) e Vale do Itajaí (Univali), e dois geólogos, do Serviço Geológico do Brasil (CPRM) e da Petrobrás.
Os mergulhos são feitos com o Shinkai 6500, um minissubmarino com capacidade para três pessoas (dois pilotos e um cientista) embutidas em uma esfera pressurizada com 2 metros de diâmetro, 3 janelinhas e paredes de 7,3 centímetros de espessura, feitas de titânio. É o submersível tripulado com maior limite de profundidade no mundo: pode chegar a 6,5 mil metros abaixo da superfície. A montanha mais alta do Brasil, o Pico da Neblina, para se ter uma ideia, não chega a 3 mil metros de altura.
Pioneirismo. O primeiro mergulho foi feito na terça-feira, a 4,2 mil metros de profundidade, com o brasileiro Paulo Sumida a bordo. "Foi o mergulho mais profundo e mais espetacular que já fiz", disse Sumida ao Estado. "Teve um grande significado para mim e para a ciência oceanográfica brasileira", completou o pesquisador do Instituto Oceanográfico da USP.
Qualquer coisa que a expedição encontrar será inédita, já que ninguém mergulhou nessas regiões antes.
"São áreas que nunca foram descritas, nem do ponto de vista biológico nem geológico", diz a pesquisadora Vivian Pellizari, também do IO-USP, coordenadora científica do lado brasileiro. Ela vai embarcar na segunda pernada da expedição, que incluirá mergulhos de até 3 mil metros na região do Platô de São Paulo, onde fica a Bacia de Santos. Desta etapa, também participarão pesquisadores das Universidades Federais de São Paulo (Unifesp) e do Espírito Santo (UFES).
Microbióloga, Vivian está interessada nos microrganismos que vivem nesses ambientes quimiossintéticos. "Não sabemos se esses ambientes existem aqui, quais organismos fazem parte deles, como vivem, se são diferentes dos organismos que compõem esses ambientes em outras partes do mundo; não sabemos nada", resume.
O exemplo mais famoso desses ambientes são as fontes hidrotermais, ou "fumarolas", em que água fervente escapa do leito marinho como se fosse uma fumaça preta, através de "chaminés" formadas pela precipitação de compostos metálicos. Mas não é o que os pesquisadores esperam encontrar aqui.
A expectativa é de encontrar uma outra versão dessas estruturas, chamadas "exsudações frias", em que gases vazam lentamente por frestas no assoalho oceânico, sobre as quais se formam ecossistemas quimiossintéticos baseados em micróbios que se alimentam de elementos como metano e enxofre.
Será a primeira vez que cientistas brasileiros terão a oportunidade de coletar organismos desses ambientes. Caso eles existam por aqui.
SNB

Arquivo do blog segurança nacional