domingo, 7 de abril de 2013

Ataque suicida mata diplomata e soldados americanos no Afeganistão


Um ataque suicida com carro-bomba matou três soldados norte-americanos e dois civis, incluindo uma diplomata, em Qalat, na província de Zabul, ao sul do Afeganistão, neste domingo (7). Este é considerado o pior ataque contra as Forças dos Estados Unidos neste ano, segundo autoridades norte-americanas.
A diplomata Anne Smedinghoff, 25, de Illinois, trabalhava em Kabul, mas já havido atuado na Venezuela. Os nomes dos soldados ainda não foram informados.
O secretário de Estado  dos Estados Unidos, John Kerry, lamentou as mortes e falou da "dura contradição" da morte de Anne, que ocorreu enquanto a comitiva levava livros para uma escola.
"As pessoas que querem matar as pessoas, e isso é tudo que elas querem fazer, estão com medo do conhecimento", disse Kerry. "Eles querem fechar as portas, e não querem que as pessoas façam suas escolhas sobre o seu futuro."
Os pais da diplomata, Tom e Mary Beth  Smedinghoff disseram em nota que "o mundo perdeu uma alma realmente bela hoje" e que a filha "morreu a serviço do país".
O ataque aconteceu logo depois que o general Martin E. Dempsey, presidente do Joint Chiefs of Staff, disse que visitaria o país.

O ataque

Um homem-bomba detonou seu veículo em uma estrada na província de Zabul, por volta das 11h, quando o comboio americano passou, de acordo com autoridades americanas e afegãs. Os oficiais e soldados do comboio estavam acompanhando o governador Mohammad Ashraf Nasery, da província de Zabul, em uma viagem para inaugurar uma nova escola em Qalat, a capital da província, onde estavam para entregar livros doados.
Quatro funcionários do Departamento de Estado dos Estados Unidos foram feridos na explosão e três afegãos também foram mortos - um médico que acompanhava o governador e dois guarda-costas, disse Muhammad Jan Rasoolyar, o vice-governador, ao The New York Times.
O Taleban assumiu a responsabilidade pelo ataque, mas não ficou claro se o ataque visava as forças da coalizão ou do governador, que sobreviveram. O atentado foi o mais mortífero para os americanos desde julho, quando uma bomba na província de Wardak matou seis membros do serviço dos Estados Unidos, segundo o governo americano.
Um civil americano também foi morto no sábado (6) em um ataque insurgente no leste do país, embora as autoridades não tenham especificado a natureza do ataque. Neste ano, 30 soldados da coalizão morreram no Afeganistão, 24 deles americanos, segundo Icasualties, um site que rastreia mortes militares.
Ataque da Otan teria matado crianças
Um bombardeio da Otan neste sábado (6), na instável província de Kunar, no leste do Afeganistão, teria matado dez crianças, informaram neste domingo (7) as autoridades afegãs.

Procurado pela agência de notícias France Presse, um porta-voz da Otan apresentou uma versão diferente e disse que "até 10 mulheres e crianças ficaram feridas, mas não morreram" na operação.
UOL....SNB

Arquivo do blog segurança nacional