quarta-feira, 3 de abril de 2013

Arábia Saudita compra drones armados da África do Sul


A Arábia Saudita está adquirindo aeronaves não tripuladas da África do Sul após a administração Obama se recusar a vender ao reino as aeronaves não tripuladas de combate Predator ou Reaper. A empresa estatal sul-africana Denel Dynamics está trabalhando secretamente com os sauditas para desenvolver o drone Seeker 400 num sistema de combate armado para os militares da Arábia Saudita, conforme reportou no dia 27 de março a publicação  sediada em Paris.
O Seeker 400 é uma versão avançada armada da aeronave de vigilância Seeker II da empresa sul africana.
A publicação afirmou que a Arábia Saudita seria a primeiro cliente a comprar o drone armado Seeker 400 e que engenheiros da Denel estão no reino, como parte do programa secreto.
Se concluída, a venda permitirá que a Arábia Saudita possa se juntar ao crescente número de militares que operam drones armados com mísseis – a arma mais avançada atualmente em uso para lançar ataques de precisão sobre terroristas.
Os drones de combate tornaram-se a marca registrada da CIA, que está intensificando os ataques com mísseis guiados aos terroristas no Afeganistão, na região de fronteira do Paquistão, no Iêmen, no Chifre da África, e em outros lugares.
O novo drone será equipado com mísseis ar-solo Mokopa da África do Sul que estão atualmente sendo usados com helicópteros argelinos. O drone também pode ser equipado com mísseis guiados por laser IMPI com alcance de 10 quilômetros.
Os drones deverão ser usados pelos sauditas para uso contra o grupo terrorista Al Qaeda na Península Arábica, que está operando atualmente no Iêmen e já realizou operações internacionais contra os Estados Unidos.
Riad já tentou comprar drones armados com mísseis dos Estados Unidos, mas até agora os pedidos foram negados.
Os Emirados Árabes Unidos estão adquirindo uma versão de exportação desarmada do Predator, chamada de Predator XP, produzida pela General Atomics.
De acordo com o boletim, os sauditas têm procurado drones armados por vários anos e querem as armas para combater veículos de combate não-tripulados do Irã conhecidos como a Karrar e Shahed 129, que estão equipados com mísseis Shahid-1.
“Como o reino não poderia adquirir aviões da China, que é aliada ao Irã, nem de Israel, Riyadh virou-se para a África do Sul”, afirmou o boletim.
No entanto, a Arábia Saudita não tem a infra-estrutura necessária para operar drones. Os sistemas requerem comunicações por satélite que permitem comunicações remotas de vídeo que permitem que os drones possam ser pilotados.
O Seeker 400 pode voar por 16 horas e tem um alcance de 250 km com uma carga de 100 kg.
O Instituto de Pesquisas em Tecnologias Avançadas Príncipe Sultão da Arábia Saudita (PSATRI), um projeto conjunto entre a força aérea saudita e a Universidade Rei Fahd, também está desenvolvendo drones de vigilância para uso ao longo da fronteira sul da Arábia, afirma o boletim.
Porta-vozes da Denel e da Embaixada da Arábia não foram encontradas para comentar.
Reportagens em fevereiro revelaram que a Arábia Saudita está hospedando uma base de drones de ataque dos EUA no sul do país, revelada em imagens de satélite.
Estas imagens de satélite mostram uma pista de pouso remota no interior do deserto da Arábia Saudita. Pode ou não pode ser a base de drones secreta dos EUA revelada por jornalistas no início desta semana.
No entanto, os hangares da base têm uma semelhança notável com estruturas similares encontradas em outras bases de drones americanas. E seu controle remoto numa localização à dezenas de quilômetros da estrada mais próxima, e mais ainda da cidade mais próxima, sugere que este pode ser mais do que a pista média de pouso civil.
A base foi mantida em segredo por dois anos até ser divulgada em relatórios do Washington Post e do New York Times, em fevereiro.
SNB

Arquivo do blog segurança nacional