quarta-feira, 20 de março de 2013

Tecnologia no fundo do Mar


Atualmente, a área marítima brasileira possui aproximadamente 3,5 milhões de
km2
. O Brasil está pleiteando junto às Nações Unidas estender essa área até os limites
de sua Plataforma Continental, que ultrapassará em alguns pontos as 200 milhas
náuticas (370 km2
) da sua Zona Econômica Exclusiva, incorporando assim uma área
adicional de 963 mil km2
. Se a solicitação do Brasil for aceita, a sua área marítima atingirá
aproximadamente 4,5 milhões de km2
, cerca de metade do nosso território terestre.
É nessa imensa área oceânica que o Brasil possui diversos e importantes interesses
econômicos. Cerca de 95% do comércio do Brasil com exterior é realizado pelo mar,
movimentando nossos mais de 40 portos nas atividades de importação e exportação.
É do subsolo marinho, na plataforma continental, que o Brasil retira a maior parte
do seu petróleo e gás, elementos fundamentais para o desenvolvimento do País.
Além disso, cabe ressaltar a importância da atividade pesqueira e de outros recursos
naturais ainda inexplorados, como os nódulos polimetálicos - concentrações

elementos metálicos economicamente importantes, como níquel, cobre e cobalto.
Para proteger esse patrimônio e garantir a soberania brasileira no mar, a Marinha
do Brasil tem investido na expansão da sua força naval e no desenvolvimento da
indústria de defesa. Com esse propósito, Brasil e França firmaram, em 2008, um
acordo que deu início ao PROSUB - Programa de Desenvolvimento de Submarinos.

propulsão nuclear e de mais quatro submarinos convencionais diesel-elétrico.
Para a execução do PROSUB, a Marinha do Brasil contratou a empresa francesa DCNS -
Direction des Constructions Navales et Services, uma das líderes mundiais na área de
construção naval, que, por sua vez, associou-se à Odebrecht para formar a Itaguaí
Construções Navais - ICN, consórcio responsável pela construção dos submarinos.
A primeira fase de implantação do programa prevê a construção de um Estaleiro e de uma
Base Naval - EBN, no município de Itaguaí, realizados exclusivamente pela Odebrecht
Infraestrurura, sempre em conformidade com as diretrizes da Marinha do Brasil...
.Acaracterística principal de um submarino é sua capacidade de ocultação, de permanecer
“invisível” aos radares e satélites. Essa vantagem privilegiada permite que em situações de
conflito o submarino possa surpreender os meios navais do adversário sem que haja tempo
suficiente de reação. O simples conhecimento de que uma nação possui submarinos, já é
suficiente para dissuadir um inimigo a realizar uma ação hostil. É importante salientar que os
submarinos podem projetar poder sobre terra por meio de mísseis balísticos ou de cruzeiro.
A Marinha do Brasil possui atualmente 5 submarinos: O S. Tupi (S-30), o S. Tamoio (S-31), o
S. Timbira (S-32), o S. Tapajó (S-33) e o S. Tikuna (S-34). Os quatro primeiros são submarinos da
Classe Tupi (IKL de 1400 t) e o último da Classe Tikuna. Todos são uma versão do submarino
alemão U-209. Assim como os quatro novos submarinos S-BR serão uma variação dos
submarinos franceses da classe Scorpène - movidos a propulsão convencional (diesel - elétrico).
Embora seja um meio furtivo por essência, o submarino com propulsão diesel-elétrica tem que se
expor com regularidade para içar os mastros que captam o ar necessário à combustão do diesel,
cuja energia recarrega seus geradores elétricos. Cada minuto em exposição torna-o suscetível
à detecção por aeronaves de reconhecimento, navios de superfície ou por outros submarinos.
Por isso, é importante que uma embarcação deste tipo permaneça submersa o maior tempo possível.
É justamente neste aspecto que reside a vantagem do submarino nuclear sobre os submarinos
convencionais. A energia gerada pela fissão do átomo prescinde do oxigênio utilizado para a
combustão do diesel. Desta forma, um submarino nuclear pode permanecer submerso e
oculto durante tempo ilimitado, o que aumenta exponencialmente seu potencial ofensivo
em ataques fortuitos. O submarino movido a propulsão nuclear também move-se a maiores
velocidades quando comparado aos convencionais.
.mar.mil.br..SNB

Arquivo do blog segurança nacional