segunda-feira, 18 de março de 2013

Premiê da China nega que país fez ataques de ciberespionagem aos EUA


O primeiro-ministro da China, Li Keqiang, afirmou neste domingo (17) que seu país "não apoia ataques cibernéticos", e qualificou como "infundadas" as acusações dos Estados Unidos que o gigante asiático está por trás de atividades de ciberespionagem contra alvos americanos. 
"A China é uma vítima majoritária deste tipo de ataques", respondeu Li em sua primeira entrevista coletiva como primeiro-ministro, realizada hoje no encerramento da Assembleia Nacional Popular (ANP) no Grande Salão do Povo em Pequim.
Perguntado por um jornalista estrangeiro sobre as recentes declarações do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que prometeu na quarta-feira dialogar com Pequim sobre a espionagem virtual, Li disse sentir "uma presunção de culpabilidade".O conflito surgiu no mês passado quando a empresa Mandiant, especializada em segurança na internet, publicou um relatório afirmando que boa parte dos ataques cibernéticos contra os EUA vinha de uma unidade do exército chinês. A China retrucou garantindo que a maioria dos ataques que recebe deste tipo vem dos Estados Unidos, mas não responsabilizou o governo. 
Apesar das acusações, Li destacou o compromisso de Pequim em trabalhar com Obama para "criar uma nova relação". Ele defendeu o surgimento de "mais oportunidades de comércio e investimento" entre as principais economias mundiais, e destacou o rápido crescimento no volume do comércio bilateral nos últimos 30 anos, que passou de US$ 1 bilhão por ano para mais de 500 bilhões em 2012.
"Não acho que os conflitos entre as duas potências sejam inevitáveis", disse. Segundo ele, os países têm interesses semelhantes na preservação da segurança na região da Ásia Pacífico, onde a China mantém vários conflitos territoriais com países vizinhos. "Sempre quando nos respeitarmos, poderemos solucionar nossas diferenças".
Os EUA estão fora dos primeiros destinos da agenda de política externa do novo Executivo, já que Xi Jinping escolheu Rússia e África do Sul, onde participará da cúpula dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), como os primeiros lugares que serão visitados pelo presidente da potência asiática.
No plano global, Li disse que, "apesar de a China ser mais forte, não tentará se impor sobre os outros", em virtude da pretensa política de "soft power" (poder brando) defendida pelo país. No entanto, e como é habitual, ressaltou a "determinação chinesa em defender nosso território", quando Pequim mantém uma acalorada disputa com o Japão pela soberania das ilhas Diaoyu/Senkaku.
ÉPOCA...SNB

Arquivo do blog segurança nacional