sábado, 29 de dezembro de 2012

O alto custo da retirada

É JORNALISTA, WALTER, PINCUS, THE WASHINGTON POST, É JORNALISTA, WALTER, PINCUS, THE WASHINGTON POST ----- Estado de S.Paulo
Os Estados Unidos gastaram quase US$ 600 bilhões nos últimos dez anos para instalar suas forças de combate no Afeganistão. Agora terá de gastar mais US$ 5,7 bilhões nos próximos um ou dois anos para transferir ou trazer de volta a maior parte dos soldados e equipamentos enviados para aquele país, segundo o Escritório de Contabilidade do Governo (GAO na sigla em inglês).
O porte da retirada é alucinante. Mas com o "abismo fiscal" se aproximando rapidamente, vale a pena entender que a dispendiosa operação afegã vai para um cartão de crédito, juntamente com US$ l trilhão ou mais gasto no Afeganistão.
Iraque e Afeganistão são as primeiras guerras travadas pelos Estados Unidos em que a sociedade americana não pagou nenhum centavo em impostos adicionais.
O que estávamos pensando? À medida que apresento a lista das novas despesas, considere quem vai pagar por tudo isso e quando. O Congresso e o presidente Barack Obama estão negociando um aumento de receita e um corte de gastos, mas os bilhões que serão usados na retirada do Afeganistão não podem ser reduzidos e precisam ser pagos. O pagamento será analisado no próximo mês, quando o Congresso debaterá um aumento no limite da dívida.
Por outro lado, o Departamento da Defesa estima que o Exército possui mais de 750 mil itens importantes, o equivalente a mais de US$ 36 bilhões, no Afeganistão, incluindo 50 mil veículos e mais de 90 mil contêineres para transporte de material, segundo relatório do GAO.
No ano fiscal de 2011, o Comando de Transporte dos Estados Unidos transportou 268 mil toneladas de suprimentos - mais de 42 mil contêineres - para o Afeganistão, através de rotas ao norte, envolvendo vias férreas e para caminhões passando por países europeus e da Ásia Central. Essas rotas de abastecimento foram criadas depois que os comboios de caminhões que passavam pelo Paquistão foram interrompidos em 2011 em resposta ao ataque americano que matou Osama bin Laden.
O Departamento de Defesa tem três maneiras para se desfazer do material no Afeganistão: transferir o equipamento para outra agência estadual ou federal ou para um governo estrangeiro, destruir o material no Afeganistão ou retorná-lo para outro local do Pentágono. Os Estados Unidos possuem três sítios no Afeganistão e pretende criar um quarto onde o material será destruído, e dez áreas de armazenamento onde o equipamento será inspecionado e preparado para ser transportado para os Estados Unidos.
A retirada do Iraque mostrou a importância de um planejamento antecipado. Os planos de saída começaram em 2008, três anos antes da partida final das tropas de combate, em dezembro de 2011. No Afeganistão, os Fuzileiros Navais e a Marinha iniciaram seus preparativos em 2009 e o Exército, em 2010.
Os Fuzileiros Navais estabeleceram uma "estratégia de realocação de equipamentos", tendo criado um "manual" contendo o que o GAO descreve como "uma recontagem detalhada e simples de cada um dos 78.168 itens importantes no Afeganistão, juntamente com "instruções para sua disposição previstas inicialmente (retorno, transferência ou destruição) de cada item".
Por exemplo, o manual de julho de 2012 mostrou que os marines tinham tinha 33 vans "blackscatter" no Afeganistão, veículos com capacidade de raio X que são usados em postos de fronteira e postos de controle de entrada para identificação de armas ocultas, contrabando e explosivos. Custam de US$ 700 mil a US$ 800 mil cada uma quando novas.
O plano é retornar todas as 33 vans para os Estados Unidos usando transporte aéreo e marítimo, a um custo que pode chegar a mais de US$ 150 mil por van, segundo o GAO. Contudo, o manual dos marines indica que apenas 28 são necessárias para atender às necessidades nos Estados Unidos. O GAO sugere que as cinco restantes, consideradas desnecessárias, em termos de custo-benefício, deveriam ser deixadas no Afeganistão.
Um problema no Iraque foi fazer a contabilidade dos equipamentos de propriedade do governo fornecidos ao pessoal terceirizado. De acordo com relatório do GAO, de setembro de 2011, "houve ocasiões em que os terceirizados deixaram os campos e instalações no Iraque sem um encerramento adequado, deixando equipamentos abandonados, pessoal não repatriado (especialmente cidadãos de outros países), sem obter os vistos de saída apropriados e não devolveram para o governo o equipamento fornecido".
A relação dos equipamentos no Afeganistão não incluiu o equipamento do governo usado pelos terceirizados, mas o comando afegão informou ao GAO que está criando uma unidade para resolver o problema.
Uma outra questão exclusiva do Afeganistão refere-se às rotas de saída de material, por causa do "ambiente geopolítico complexo na região, segundo o GAO.
Sair do Afeganistão é muito mais difícil e mais dispendioso do que deixar o Iraque. No Iraque os Estados Unidos tinham acesso por rodovias ao Porto de Umm Qasr e uma grande base logística no Kuwait, na fronteira. A partir dali era fácil despachar o material por mar usando portos jordanianos e do Kuwait.
As antes grandes rotas de transporte de equipamentos através do Paquistão que foram reabertas em julho estão em fase de testes para o material que sairá do Afeganistão. Por outro lado, o Departamento de Defesa "enfrenta problemas para converter as rotas ao norte em apoio para a retirada por causa de questões ligadas a autorizações alfandegárias e diplomáticas".
No Afeganistão, país sem saída para o mar, há também equipamentos prioritários, incluindo munições, transportados por mar e depois pelo ar. Seu retorno pode chegar a até US$ 75 mil cada veículo, se transportados por mar ou aéreo, e até US$ 153 mil usando empresas aéreas comerciais, segundo o GAO. Enviar um veículo utilizando estradas poderá chegar a US$ 43 mil.
Com base em planos anteriores o Comando de Transporte projetou que "14,2% de todo equipamento de retorno aos Estados Unidos será transportado por meio de estradas ao norte, 19,9% por estradas paquistanesas e 65,8% usando transporte aéreo e marítimo".
No planejamento anterior, a agência de Logística de Defesa e as forças americanas no Afeganistão estabeleceram metas para os veículos e contêineres. A meta mensal era de 1.200 veículos e mil contêineres.
Tudo isso é complicado? Sim. Vale a pena prestar atenção nos custos monetários e humanos de entrar e sair de aventuras militares para que o país esteja mais bem preparado da próxima vez. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO
SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Arquivo do blog segurança nacional