quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Mudança de gerações: o T-50 recebe seu armamento


Na primavera de 2013, o caça T-50 irá efetuar testes governamentais. De uma forma quase simultânea, juntamente com o novo aparelho está a ser criado o seu armamento. A Rússia está a testar a nova família de mísseis ar-ar, adaptada para o uso a partir de aviões de combate de quinta geração.

Quinta geração: resultados intercalares
Os testes do novíssimo avião de caça russo já duram há mais de três anos. Recordemos que o primeiro voo do T-50 se realizou em janeiro de 2010. Neste momento, são quatro os aparelhos a realizar testes de fábrica e nos meses mais próximos eles passarão para cinco. Entretanto, os próprios testes estão a entrar numa nova etapa: os T-50 irão ser transferidos do aeródromo do Instituto de Pesquisa de Voo Gromov, em Jukovski, para o centro de testes de voo do ministério da Defesa em Akhtubinsk, no baixo Volga. Nessa base aérea terão já início os testes governamentais do aparelho que antecedem imediatamente a sua entrega aos militares e a entrada ao serviço. Todos os exemplares experimentais do T-50, e serão quatro os aparelhos planeados para 2013, já serão transferidos diretamente do aeródromo da fábrica para Akhtubinsk. Nesse polígono existem condições também para testes com utilização do armamento, o que permitirá considerar o T-50 como um avião de combate completo.
O fabrico em série do T-50 deverá começar em 2015-2016 (até lá ele deverá, provavelmente, receber a sua marca militar Su-??). Se, até finais dos anos 2010, a Força Aérea receber os planejados 50 aparelhos então, juntamente com os fornecimentos de Su-35S, Su-30SM e outros aviões novos e modernizados, isso permitirá substituir completamente o parque existente de Su-27 de fabrico soviético, cuja média de idade ultrapassa hoje os 25 anos. No total, a FA russa deverá receber nos anos 2010-20 cerca de 250 caças T-50.
As “mãos” do caça
Uma particularidade do avião de quinta geração é a localização interior do armamento, o que determinou a necessidade da criação de uma nova família de mísseis e de bombas teleguiadas. Ao combate aéreo são destinados os mísseis RVV-MD e RVV-SD de alcance, respetivamente, curto (até 40 km) e médio (até 110 km). A concepção desses mísseis, de acordo com os representantes da corporação Takticheskoie Raketnoie Voorujenie (Mísseis Táticos), deve estar terminada em 2012-2013. Neste momento, eles já estão a ser testados. Em perspectiva, nos próximos anos deverá ser igualmente criado um míssil de nova geração de longo alcance. Ele permitirá atingir alvos como bombardeiros estratégicos, aviões de abastecimento e aviões de vigilância aérea AWACS a 300 quilômetros de distância.
O T-50 também irá receber novos mísseis ar-superfície, dos quais alguns já estão a ser fabricados, como, por exemplo, o Kh-31PD, destinado a atingir estações de radar. No futuro, o caça irá ser equipado com um largo espectro de diversos meios de ataque, incluindo mísseis ligeiros antinavio e bombas teleguiadas de diferentes calibres.
Na prática, hoje já se pode falar do cumprimento do programa PAK FA (sistema de aviação futuro para força aérea tática) durante o qual a Força Aérea irá receber não apenas um avião novo, mas também novo armamento e uma nova infraestrutura terrestre para o uso e manutenção do T-50.
VOZ DA RUSSIA ..SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Arquivo do blog segurança nacional