sábado, 22 de dezembro de 2012

Brasileira que teria tido filha sequestrada pelo pai na Líbia está em segurança


Andrei Netto, Correspondente
PARIS - A embaixada do Brasil em Trípoli, na Líbia, está abrigando e oferecendo suporte jurídico à brasileira Cecília von Adamovich, que afirma ter sido espancada e ter tido a filha sequestrada pelo pai, líbio, no último domingo. O caso veio a público pelas redes sociais na última quinta-feira. Neste sábado, o embaixador do Brasil na capital, Afonso Carbonar, confirmou ao Estado que a jovem está sob seus auspícios, recuperando-se de agressões que teria sofrido. Auxiliada por uma advogada especializada, ela já registrou queixa para recuperar a menor.
O caso chegou ao conhecimento das autoridades brasileiras em Trípoli no último domingo, quando Cecília buscou apoio na embaixada. Segundo o relato feito pela brasileira em uma página criada no Facebook para divulgar o caso, ela seria casada com um cidadão líbio com quem morava na Suécia, onde teve a filha. O casal teria se divorciado após "constantes agressões verbais e físicas". Ainda na Suécia, ela teria obtido a guarda total da menina.
Após a separação e a decisão da Justiça, Cecília teria cedido aos pedidos do ex-marido e aceitado viajar para a Líbia ao seu encontro, junto com a filha. Desde sua chegada a Trípoli, entretanto, a brasileira teria passado a sofrer agressões, que teriam aumentado de intensidade até se transformarem em cárcere privado, segundo sua versão. Cecília reclama ainda de ter sido obrigada a usar véus islâmicos e de se alimentar em separado, além de suspeitar que sua comida estivesse envenenada ou contivesse sedativos. A brasileira também teria sido vítima de agressões físicas por parte do marido e de um cunhado.
Machucada e supostamente sedada, Cecília teria sido levada até a embaixada do Brasil, onde teria sido abandonada sem sua filha, que seguiria em poder do ex-marido em Trípoli. Desde então a brasileira não tem mais notícias da menina, a qual teme jamais voltar a encontrar.
Ao tomar conhecimento do caso, o embaixador Afonso Carbonar ofereceu abrigo à jovem, que recebe apoio logístico e emocional e assistência jurídica da representação do Brasil. "Ela chegou no domingo claramente abalada. Demos toda a atenção psicológica e chamamos uma advogada líbia especializada no tema", disse Carbonar ao Estado, confirmando a gravidade do caso: "Cecília tinha marcas de machucados pelo corpo. Ela nos informou que havia sido espancada pelo marido e pelo cunhado".
Na noite de sábado, Cecília pediu para não falar à reportagem alegando cansaço e abalo. Pelo Facebook, porém, ela tem se manifestado. "As autoridades dizem que vou revê-la, mas que a corrupção aqui é muita", escreveu em um de seus posts. "A família dele tem muito dinheiro e o pai é advogado conhecido. Como o irmão dele disse, depois de ter me espancado muito, aqui sou mulher. Aqui não sou ninguém."
De acordo com o embaixador, uma queixa já foi registrada na polícia e neste domingo uma primeira sessão de entendimento será realizada pelas autoridades. Conforme Carbonar, pelo direito de família líbio, a mãe tem o direito da guarda. Por outro lado, a criança só poderá deixar o país com o consentimento dos dois pais. 
ESTADO DE S PAULO.. SEGURANÇA NACIONAL BLOG

Arquivo do blog segurança nacional