sexta-feira, 17 de maio de 2013

Por que a Rússia continua vendendo armas à Síria?

Em uma feira de armas nos arredores de Moscou, cinco tanques russos movimentam-se graciosamente para frente e para trás, com seus canhões subindo e descendo com marcações típicas de uma valsa. Esse atípico “balé dos tanques” foi criado por um coreógrafo do prestigiado Balé Bolsho
Mas essas armas não foram concebidas para dançar.

De uma hora para outra, os mesmos tanques começam a performance esperada por todos os presentes: milhares de balas são lançadas em uma fração de segundos e o local de demonstração praticamente desaparece em uma grande nuvem de fumaça.
Observando das arquibandas estão potenciais clientes: delegações da África, Ásia, Oriente Médio e Golfo.
A Rússia é hoje o segundo maior exportador de armas do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos.
Um dos clientes é especialmente polêmico. Nesse ano, a Síria deve encomendar as baterias antiaéreas russas Buk-M2E, sistemas de defesa antiárea Pansir-S1, segundo alguns relatos, caças Mig-29.
Os negócios foram fechados antes do pico de violência na Síria, mas, apesar do conflito que se arrasta por mais de dois anos, a Rússia nunca demonstrou a intenção de cancelar esses contratos.
"Se o contrato foi assinado antes, precisamos cumpri-lo", argumenta Igor Sevastyanov, vice-presidente da Rosoboronexport, a exportadora de armas estatal do país. "Nós cumprimos nosas obrigações internacionais de acordo com as regras internacionais".

Dois pesos, duas medidas?

A Rússia recorre ao mesmo argumento para os helicópteros militares que está tentando enviar para a Síria.
São helicópteros de ataque da era soviética que os russos estão reformando. Na semana passada, um navio cargueiro do país que estava transportando as aeronaves foi impedido de entrar em águas britânicas e teve de retornar a Moscou, embora a Rússia esteja determinada a realizar a entrega.
Países como a Grã-Bretanha e os Estados Unidos vêm acusando a Rússia de apoiar o presidente da Síria, Bashar al-Assad, com carregamentos de armas. Já a Rússia rebate a acusação dizendo que o Ocidente trabalha com "dois pesos e duas medidas"
"Por que os Estados Unidos estão determinados em vender armas para o Bahrain depois que as autoridades bahrenitas, com a ajuda dos sauditas, sufocaram a Primavera Árabe no país?", questiona Ruslan Pukhov, analista de comércio de armas do centro de estudos russo CAST.
"A Rússia não vê nenhum problema em vender armas para a Síria uma vez que a CIA (agência de inteligência americana) e os serviços secretos da França e da Inglaterra suprem os rebeldes com armas via Turquia".
Os contratos de armas entre a Rússia e a Síria são avaliados em bilhões de dólares. Mas Moscou nega que o dinheiro seja a principal razão para continuar enviando carregamentos militares às autoridades sírias.
Autoridades russas temem que se os rebeldes tirarem Assad do poder, radicais islâmicos podem tomar seu lugar e representar uma ameaça à segurança nacional da Rússia.
"Não se trata de kalashnikovs ou helicópteros. Trata-se de coisas muito perigosas batendo à nossa porta", argumenta Andrei Klimov, vice-presidente do Comitê de Relações Exteriores do Parlamento russo. “Essa área é muito próxima ao nosso país e queremos evitar qualquer agressão vinda do exterior. Do contrário, podemos ter um problema sério perto das nossas fronteiras".

Jogo de poder

A geopolítica também é um ponto crucial. A Rússia teme que se Assad renunciar ou for deposto, a influência do país no Oriente Médio desaparecerá com ele.
"Síria é o único país no Oriente Médio que segue os nossos conselhos, esse é um país onde nós podemos exercer certa influência tangível", disse Pukhov.
"Claro, a perda da Síria significará uma perda completa da influência na região. Isso terá um valor simbólico para as autoridades russas e o estabelecimento da política externa como um sinal da Rússia como uma grande potência".
A Rússia ainda se vê como uma superpotência, como um país que possui tantos direitos como os Estados Unidos para vender armas para quem quer que seja, e ainda ganhar a influência onde puder.
Mas o Kremlin é pragmático. Se Moscou começar a sentir que há mais perdas do que ganhos em apoiar o presidente Presidente Assad, o líder sírio poderá sofrer pressão tanto do Ocidente quanto do Oriente.
"Nós na Rússia não temos ilusão sobre esse regime", afirmou o parlamentar russo Andrei Klimov, "A única coisa que nós queremos é ter uma saída pacífica para esse problema. Não queremos prolongar o regime por décadas ou por séculos. Nosso objetivo é achar uma solução pacífica para isso o mais breve possível."
BBC BRASIL ..SNB

Arquivo do blog segurança nacional