quarta-feira, 15 de maio de 2013

Petrobrás lidera disputa por áreas licitadas pela ANP


RIO - A Petrobrás, mais uma vez, liderou a disputa por áreas licitadas pela Agência Nacional do Petróleo (ANP). A estatal arrematou 34 blocos, 12 deles como operadora - sete atuando sozinha. O total investido junto com seus parceiros, na 11ª rodada, foi de R$ 1,46 bilhão, dos quais R$ 537,9 milhões caixa próprio da companhia. Petrobrás, Total e BP estão entre as que concentrarão mais investimentos nas áreas licitadas. Em relatório, o Credit Suisse disse que os 34 blocos arrematados pela Petrobrás mostraram mais apetite da empresa do que o esperado pelo mercado, embora boa parte deles tenha sido feita em parceria.
Multinacionais de peso, como Repsol, Shell e Conoco estão entre as que nada levaram. Fizeram lances por poucos blocos (7, 6 e 2 blocos, respectivamente), mas não ganharam. A brasileira HRT nem tentou. Barra Energia tampouco, mas informou que seu foco será no leilão do pré-sal em novembro.
Petra Energia, com foco em blocos menores em terra, foi a segunda a arrematar o maior número de áreas, 27. A BP levou oito blocos em águas profundas. A empresa está no consórcio responsável pela maior oferta do leilão, R$ 345,9 milhões pelo bloco em mar do Foz do Amazonas número 57 que compartilhará com a operadora Total (40%) e Petrobrás (30%).
Também participa do consórcio, de mesma composição, que pagou R$ 214,4 milhões pelo bloco 88 da mesma bacia. "A BP está muito satisfeita com o resultado. Com essas aquisições, aumentaremos nossa presença exploratória em áreas de fronteira ao longo da margem equatorial brasileira", afirmou, em nota, Mike Daily, vice-presidente executivo de exploração da BP.
A OGX levou sete blocos na margem equatorial. Fez lances por 33 blocos e acabou investiu R$ 376 milhões por sua participação em 13 blocos. Em dez deles, estará sozinha, sem parceiros. É bem menos dos R$ 1,4 bilhão investidos pela OGX em 21 blocos na 9ª Rodada, em 2007, quando a petroleira de Eike Batista despontou no mercado. Apenas em um deles, na Bacia de Santos, a OGX ofertou R$ 344 milhões. Acabou não encontrando petróleo e tendo que devolver a área à União.
Desta vez, o maior lance que teve sucesso foi de R$ 80 milhões, para um bloco em Barreirinhas. A participação da petroleira, embora menos agressiva, surpreendeu, pois a companhia enfrenta restrições de caixa e produção abaixo do esperado. A OGX comprou sete blocos em águas profundas e dois em águas rasas localizados na Margem Equatorial, além de 4 blocos terrestres situados na Bacia do Parnaíba. Em dois deles, terá parceria com a ExxonMobil, que será operadora.
Bacias
Duas bacias sedimentares do Norte do País, de um total de 11 ofertadas, concentrarão cerca da metade da arrecadação e dos R$ 7 bilhões de investimentos da 11.ª rodada de licitações da Agência Nacional do Petróleo (ANP). Foz do Amazonas, na costa de Amapá e Pará, e Barreirinhas, na costa de Maranhão e Piauí - áreas tidas como nova fronteira na exploração de petróleo - arrecadaram R$ 1,589 bilhão de bônus pela concessão de 33 blocos. O total arrecadado no leilão em bônus para 142 blocos foi de R$ 2,8 bilhões. Foram R$ 802,7 milhões na Foz e R$ 786,9 em bônus no Maranhão.
As duas bacias demandarão mais de R$ 3 bilhões de investimentos mínimos por cinco anos na fase de exploração, quase metade de todo o investimento previsto após a rodada. As 30 empresas que levaram ao todo 142 blocos ontem terão que investir ao todo, no mínimo, R$ 7 bilhões, segundo a ANP.
Em média, as empresas pagaram nessa região cerca de R$ 48 milhões pelo direito de explorar cada bloco, dando a dimensão de que a região ganha relevância no mapa exploratório. A diretora-geral da ANP, Magda Chambriard, disse que a rodada tinha como um de seus objetivos descentralizar investimentos no País, hoje focados no Sudeste
SNB

Arquivo do blog segurança nacional